CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

segunda-feira, 23 de março de 2015

Filme do Dia: Era Noite em Roma (1960), Roberto Rossellini

Era Noite em Roma (Era Notte a Roma, Itália, 1960). Direção: Roberto Rossellini. Rot. Original: Sergio Amidei, Diego Fabbri, Brunello Rondi & Roberto Rosselini. Fotografia: Carlo Carlini. Música: Renzo Rossellini. Dir. de arte: Flavio Mogherini. Figurinos: Elio Constanzi. Com: Giovanna Ralli, Renato Salvatori, Leo Genn, Sergei Bondarchuk, Peter Baldwyn, Paolo Stoppa, Enrico Maria Salerno, Hannes Messemer, Laura Betti.
Ex-prisioneiros de campos de concentração vagam pela Itália em busca de guarida, pois os alemães estão dispostos a não só recapturá-los como matar quem lhes dê guarida.  Esperia (Ralli), oferece guarida para três deles, o soviético Fyodor (Bondarchuk), o americano Peter (Baldwyn) e o britânico Michael (Genn). Ela é namorada do membro da resistência Renato (Salvatori). Porém, logo a casa de Esperia se torna visada, quando um porteiro observa Fyodor entrar sorrateiramente no prédio. Boa parte do grupo é presa, Fyodor assassinado à queima-roupa no momento da prisão, sendo esse o mesmo fim que terá Renato. Os dois únicos que conseguem escapar do cerco são Michael e Peter. Eles se refugiam em um convento, através da intervenção do filho do Príncipe Alessandro Antoniani (Stoppa). Esse possui relações próximas com o general alemão Von Kleist (Messemer). Peter consegue partir. Michael é descoberto por um espião, o que provoca a morte de vários padres. Michael retorna à casa de Esperia. O espião chega e pretende voltar a fazer chantagem com ela, mas é morto por Michael. Eles chamam o Padre, para tentar conseguir algum plano para desaparecer o cadáver. Esperia confessa que ela própria fora espiã, na intenção de tentar salvar Renato. Quando ouvem um alvoroço e pensam que se trata da chegada novamente dos nazistas,  sabem que os aliados finalmente conquistaram Roma.
Praticamente todos os elementos que compõe o  enredo do clássico tido como fundador do Neo-Realismo, Roma: Cidade Aberta (1945), voltam a se fazer presentes 15 anos após: heróis da resistência (no caso aqui, de diversos países) e credos ideológicos distintos; a nobre resistência de membros da Igreja, que pagam caro por isso; a perda do objeto de amor da protagonista; a conivência vil de alguns oportunistas delatores italianos. Mesmo tanto tempo depois, Rossellini ainda insiste em fazer da Igreja, enquanto instituição, e não alguns membros isolados, uma paladina na luta contra o nazi-fascismo. E também inclui no rol membros da aristocracia. Pior que isso, no entanto, de longe é se constatar que  ao contrário de Roma: Cidade Aberta, tudo parece bem mais – e mal – conformado a uma lógica de roteiro convencional, perdendo todo o viço que aquele possuía. Não faltam, inclusive, momentos francamente decepcionantes, em termos de sentimentalismo clichê, como a celebração da noite de natal e outros que podem ser percebidos quase como de patética auto-referência: no caso, a indignação de Esperia ao testemunhar o assassinato do soviético. Visualmente tampouco o filme chega a ser memorável, com seus excessivos zoons, típicos não apenas dos filmes que o realizador dirigiu no período, como do cinema em geral da época. Tem-se a nítida impressão de um projeto que, como Vanina Vanini,  não se enquadra na coerência que permeia momentos diversos da carreira do realizador, como os filmes que realizou durante o fascismo, os filmes neo-realistas, os dramas existenciais que realizou com Ingrid Bergman ou, posteriormente a esse, as biografias de homens célebres que dirigiu para a TV. International Goldstar/Dismage. 138 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário