CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Filme do Dia: Amores Brutos (2000), Alejandro González Iñarritu

Amores Brutos (Amores Perros, México, 2000). Direção: Alejandro González  Iñárritu. Rot. Original: Guillermo Arriaga. Fotografia: Rodrigo Prieto. Música: Gustavo Santaolalla. Montagem: Luis Carballar, Alejandro González Iñarritu & Fernando Pérez Unda. Dir. de arte: Brigitte Broch & Melo Hinojosa. Cenografia: Melo Hinojosa & Julieta Álvarez. Figurinos: Gabriela Diaque. Com: Emilio Echevarría, Gael García Bernal, Goya Toledo, Álvaro Guerrero, Vanessa Bauche, Jorge Salinas, Marco Pérez, Rodrigo Murray, Humberto Busto, Gerardo Campbell, Gustavo Sánchez Parra.
Octavio (Bernal) é apaixonado pela esposa do irmão, Ramiro (Pérez), Susana (Bauche). Por ela, se aventura a entrar no perigo mundo das rinhas de cães, onde torna-se rival de Jarocho (Parra). Constantamente convidando a cunhada, com quem mantém um caso, para fugir com ele, acaba lhe entregando praticamente todo o dinheiro que passa a ganhar com seu cachorro. Para seu desespero, na última luta que programa para seu cão, este recebe um tiro de Jarocho. Revoltado, Octavio o atinge com uma faca e foge. Na fuga acaba batendo o carro e afetando a vida da jovem e promissora modelo espanhola Valeria (Toledo). Praticamente iniciando uma vida em comum com Daniel (Guerrero), o acidente será um divisor de águas no relacionamento do casal, que apenas é acentuado pelo desaparecimento do cão de estimação de Valeria em um rombo no assoalho do apartamento. Atormentada com a situação, Valeria tenta o suicídio e acaba tendo que amputar a perna, enquanto Daniel, revoltado, consegue encontrar o cachorro. No momento do acidente, quem levou o cachorro de Octavio para casa, assiim como todo o dinheiro que esse portava foi o ex-guerrilheiro hoje miserável El Chivo (Echevarría), traumatizado por ter abandonado a filha e que ganha a vida cometendo crimes para os outros. Uma noite, ao chegar em casa acaba descobrindo que o cão de Octavio trucidara todos os quatro cachorros que o acompanhavam pelas ruas da Cidade do México. Com a encomenda de assassinar um sócio que acaba descobrindo ser meio-irmão do mandante do crime, Chivo captura  os dois e deixa-os entregues a sua própria sorte. Octavio espera em vão pela presença de Susana que, após a morte do marido, nem por um segundo pensa em unir-se ao cunhado. Após mudar completamente seu visual desleixado, Chivo deixa uma mensagem na secretaria eletrônica da filha e todo o dinheiro que possui e parte com o cachorro.
Mesmo que excessivamente influenciado pela estética da violência dos filmes de Tarantino, tanto em termos de conteúdo como na forma que elabora a montagem (entremeando a história sob as perspectivas diversas das três linhas narrativas), o filme consegue ser um digno representante de um cinema comercial de qualidade, ao mesmo tempo aproximando-se de pretensões mais artísticas, tal e qual seu contemporâneo-conterrâneo E Tua Mãe Também, que também conta com o auxílio do talento de García Bernal. Enquanto o universo de traição, amoralidade e exarcebarção gráfica da violência, típicos de Tarantino, são ressaltados na história de Octavio e do irmão (sendo, em menor medida, o combustível para a história de Chivo), o desaparecimento do cachorro no próprio apartamento de Valeria, aponta para um nonsense, de colorações kafkanianas, que se situa entre o riso e o terror, igualmente típicas do universo de Tarantino. O momento de ruptura por excelência do filme, é quando passa a acompanhar a trajetória de Valéria após o acidente e não a de Octavio como era de se esperar. Trata-se de uma mudança brusca que não deixa de gerar dívidas ao ritmo anterior do filme. Sua “ousadia”, ao final das contas, acaba sendo plenamente recompensada por um filme que evoca igualmente Os Matadores, produção brasileira que, apesar de igualmente influenciada pela estética de Tarantino, não deixa que ela sufoque por completo certas peculidaridades da identidade nacional. Ainda assim trata-se de um filme mais maduro que o de Brant, já que possibilita uma leitura metáforica que transcende as meras histórias narradas. A rivalidade entre irmãos, um dos temas básicos da história de Octavio, acaba repetindo-se no episódio de Chivo. Quanto aos cachorros, que são o principal elo de união entre as três histórias, dificilmente pode-se admitir que não foram vítimas de maus-tratos em algumas seqüências. Altavista Films/Zeta Film. 153 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário