CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

#ELENÃO

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Filme do Dia: O Canto da Saudade (1952), Humberto Mauro

Resultado de imagem para o canto da saudade humberto mauro imagens

Canto da Saudade (Brasil, 1952). Direção e Rot. Original: Humberto Mauro. Fotografia: José de Almeida Mauro. Montagem: Luiz Mauro. Cenografia: Alaíde Faria. Com: Cláudia Montenegro, Mário Mascarenhas, Humberto Mauro, Alfredo Souto de Almeida, Zizinha Macedo, Alcir Damata, Bruno Mauro, Lourival Coutinho.
Na provinciana Volta Grande, interior de Minas, o sanfoneiro Galdino (Mascarenhas) sofre em sua paixão platônica por Maria Fausta (Montenegro), que é apaixonada por João do Carmo (Almeida). O namoro de Fausta com Carmo é reprovado pelo pai e apoiado por Garrincha (Macedo), a geniosa esposa do Coronel Januário (Humberto Mauro) que, ao mesmo tempo, força Januário a se candidatar a prefeito. A harmonia  da pequena Volta Grande é abalada com o desaparecimento de Maria Fausta, após ter sido agredida pelo pai na noite de seu aniversário ao flagrá-la nas mãos de João do Carmo. Na fazenda de Januário acresce no pesar ao desaparecimento de Fausta a flagrante derrota de Januário nas urnas. Após certo tempo, no entanto, descobre-se que o sumiço de Maria Fausta fora uma estratégia de Garrincha, que promove o casamento da moça com Carmo. O Coronel consegue demover a antipatia do pai da garota pelo genro, selando a paz na fazenda. Sobre Galdino nunca mais nada se soube.

Construído a partir de uma dupla narrativa, com o próprio Mauro anunciando no rádio o início da história (num certo tom wellesiano), sendo a mesma contada por uma professora da escola local para os seus pequenos alunos, ainda que o recurso seja um tanto dispensável, no sentido de que à parte ser um bom pretexto para explicitar a sua dívida com os “causos”, provavelmente herdeiros da própria cultura local da cidade onde Mauro nasceu, demonstra ser tão supérfluo, que nem mesmo se necessita voltar a ele ao final do filme. Repleto de imagens pastorais do campo que fazem parte de um universo igualmente grandemente explorado pelo cineasta em seus curtas-metragens contemporâneos, o filme apresenta alguma das imagens mais grandiloquentes da carreira de Mauro, como a seqüência do sonho de Galdino, que vê sua arte de músico reconhecida pela própria natureza. Ultimo longa-metragem do cineasta, aqui se afastando por completo do tom de exaltação oficial da cultura brasileira presente nos filmes que dirigiu à época do Estado Novo como O Descobrimento do Brasil (1937) e Argila (1940) reaproximando-se, por outro lado, da veia poética e despretensiosa na descrição nostálgica de um Brasil arcaico e que se acredita presente no seu período que produziu filmes mudos em Cataguazes com que passou a ser considerado pelos críticos e cineastas próximos do Cinema Novo. Estúdios Rancho Alegre. 100 minutos.