CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 1 de julho de 2014

Filme do Dia: Arca Russa (2002), Aleksandr Sokurov




Arca Russa (Russkij Kovcheg, Rússia/Alemanha, 2002). Direção: Aleksandr Sokurov. Rot. Original: Aleksandr Sokúrov, Boris Khaimski, Anatoli Nikiforov & Svetlana Proskurina. Fotografia: Tilman Büttner. Música: Serguei Yevtushenko. Montagem: Stefan Ciupek, Serguei Ivanov & Betina Kuntzsch. Dir. de arte: Natalya Kochergina & Yelena Zhoukova. Figurinos: Maria Grishanova, Lidyia Kryukova & Tamara Seferyan. Com: Serguei Dontsov, Mariya Kuznetsova, Leonid Mozgovoi, David Giorgobiani, Aleksandr Chaban, Maksim Sergueiv, Anna Aleksakhina, Vladimir Baranov.
Esse tour-de-force técnico em um plano único, fato inédito na história do cinema, e tendo como mestre-de-cerimônias um aristocrata francês do século XIX (Dontsov), apresenta um passeio pelo Hermitage, em que a beleza pictórica dos poucos quadros destacados mescla-se a história política do país e a exuberância visual do período em que as cortes tzaristas ainda comandavam o então Império Russo. Seu requinte visual e a maestria com que são dirigidos os mais de dois mil figurantes em trajes de época (em apenas uma das alas, os visitantes são “contemporâneos”) assim como sua proposta inusitada de fazer o espectador ser uma testemunha ocular praticamente “ao vivo” de boa parte dos acontecimentos da história e da arte russa acabam obscurecendo, para os não especialistas ou familiarizados, a maneira pela qual o cineasta retratou diversos mitos dessa própria história. Não menos central para seu sucesso é a sua apresentação de um museu que literalmente passa a ganhar vida, indo em direção oposta a museologia tradicional. O aristocrata francês trava, boa parte das vezes, diálogos com um narrador off, representado pela própria câmera e suposto alter-ego de Sokúrov. À virtuosa fluidez da câmera não escapam os trajes, culinária, quadros, esculturas, dança, teatro, música, arquitetura e decoração que compõem a cultura russa e européia dos séculos XVIII e XIX. Numa atmosfera digna de Lewis Carroll, a câmera observa seja a retirada de Catarina, a Grande, por um terraço encoberto pela neve ou um grupo de crianças (entre elas a mítica Anastácia) deslizando pelos corredores como seres encantados. A mescla entre fantasia e realidade histórica é uma das obsessões de Sokúrov. Egoli Tossell Film AG/Fora Film/The Hermitage Bridge Studio. 96 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário