CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 6 de maio de 2016

The Film Handbook#74: Jack Arnold

Resultado de imagem para jack arnold filmmaker pics

Jack Arnold
Nascimento: 14/10/1916, New Haven, Connecticut, EUA
Morte: 17/03/1991, Woodland Hills, Califórnia, EUA
Carreira (como diretor): 1950-1984

Nos anos 50, os filmes baratos de ficção-científica diziam respeito, em grande parte, a alegorias sobre a Guerra Fria: alienígenas invasores que ameaçavam o padrão de vida americano eram brutal e inquestionavelmente destruídos. Nessa atmosfera de ardente paranóia, Jack Arnold frequentemente injetou uma incomum poesia. Veterano ator e realizador de documentários institucionais para o governo e indústrias. Arnold chamou a atenção pela primeira vez com Veio do Espaço/It Came from Outer Space>1. Filmado em 3-D a partir de um conto de Ray Bradbury, o filme diz respeito a um vilarejo remoto cuja população é continuamente substituída por similares alienígenas. Mesmo que prejudicado por suas interpretações grosseiras, o filme se beneficiou da utilização melancólica de suas locações no deserto. De forma semelhante, em  O Monstro da Lagoa Negra/Creature from the Black Lagoon>2, um grupo de antropólogos na selva amazônica são ameaçados não somente pelo monstruoso ser da lagoa negra como também pela natureza primitiva  do universo que adentraram. O prólogo do filme traz citações do Gênesis, e suas cenas mais líricas ocorrem quando o ser, metade homem, metade peixe, nada através de seu paraíso aquático estranhamente iluminado antes de emergir, como lembrança fatídica das origens primitivas dos membros da expedição, no universo iluminado pelo sol da superfície.

A poesia barata de Arnold em conexão com temores subconscientes de forças incontroláveis - tanto violentas quanto sexuais - permanecem adormecidas no interior da superfície de civilização; de fato o Monstro da Lagoa retornou para assustar a moderna Miami de sua prisão  em um oceanário em A Revanche do Monstro/Revenge of the Creature. Tarântula/Tarantula, mais convencional thriller sobre monstros mutantes abordou o velho problema da ciência ultrapassando propósitos mais humanistas quando experiências com uma cobaia humana inadvertidamente cria uma aranha gigantesca que se alvoroça em sanha assassina. Novamente, as locações no deserto ("Toda e qualquer criatura que rasteja, nada ou voa começou aqui") são utilizadas para criar um senso atmosférico, suspense e mistério. Porém o mais memorável filme de Arnold foi O Incrível Homem Que Encolheu/The Incredible Shrinking Man>3, escrito por Richard Matheson a partir de seu próprio romance. O enredo é simples: após ter sido exposto a uma misteriosa neblina possivelmente radiativa, um homem descobre que lenta, mas inexoravelmente, está diminuindo de tamanho. Seu orgulho, trabalho, casamento e, por fim, própria vida são ameaçados enquanto sua relação com o mundo se modifica a cada dia. O chão de um celeiro se torna um perigoso deserto onde insetos gigantes caçam presas e a única fonte de alimentação consiste de migalhas de queijo rançoso duros como pedras deixados em ratoeiras. O uso magistral de cenários e adereços gigantes por Arnold proporciona excitação, mas é o seu roteiro filosófico que lhe proporciona raro poder: o moderno homem que vive em um mundo de comodidades é forçado a retornar aos seus instintos primitivos para simplesmente sobreviver descobre, por fim, paz e sentido na compreensão de que tudo no cosmos, por menor e insignificante que seja, possui seu local e razão de ser.

Desde então, a carreira de Arnold entrou em declínio. Thrillers e comédias rotineiras, das quais O Rato Que Ruge/The Mouse That Roared é o mais conhecido, deram lugar a seu trabalho para a TV. Porém, por um breve período de tempo, seu talento para evocar um inquietante mundo onde o instinto irracional reina supremo o pôs na vanguarda dos diretores de filmes fantásticos.

Cronologia
A habilidade de Arnold de proporcionar ficção-científica popular com visuais criativos somente pode ser equiparado pela equipe de George Pal e Byron Haskin. Tubarão de Spielberg foi, sem sombra de dúvida, influenciado por O Monstro da Lagoa Negra, enquanto as pequenas cidades do deserto de Arnold possuem seus desdobramentos em inúmeros filmes de horror e ficção científica modernos.

Leituras Futuras
Science Fiction in the Cinema (Londres, 1970), de John Baxter.

Destaques
1. Veio do Espaço, EUA, 1953 c/Richard Carlson, Barbara Rush, Charles Drake

2. O Monstro da Lagoa Negra, EUA, 1954 c/Richard Carlson, Julie Adams, Richard Denning

3. O Incrível Homem Que Encolheu, EUA, 1957 c/Grant Williams, Randy Stuart, April Kent

Texto: Andrew, Geoff. The Film Handbook. Londres: Longman, 1989, pp. 16-17.

Nenhum comentário:

Postar um comentário