CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 10 de maio de 2016

Filme do Dia: A Culpa dos Pais (1944), Vittorio De Sica


A Culpa dos Pais Poster


A Culpa dos Pais (I Bambini ci Guardano, Itália, 1944). Direção: Vittorio De Sica. Rot. Adaptado: Cesare Giulio Viola, Margherita Maglione, Cesare Zavattini, Adolfo Franci & Vittorio De Sica, baseado no romance Pricó, de Viola. Fotografia: Guiseppe Caracciolo & Romolo Garroni. Música: Renzo Rossellini. Montagem: Mario Bonotti. Dir. de arte: Amleto Bonetti & Vittorio Valentini. Cenografia: Guido Fiorini & Gastone Medin. Com: Emilio Cigoli, Luciano de Ambrosis, Isa Pola, Adriano Rimoldi, Giovanna Cigoli, Jone Frigerio, Maria Gardena, Dina Perbellini.
Pricó (Ambrosis) é um garoto de quatro anos negligenciado tanto por sua mãe Nina (Pola), quanto por seu pai, Andrea (Cigoli). Quando Nina parte com o amante, Roberto (Rimoldi), Andrea leva o garoto para casa de parentes, tentando evitar os boatos. Nina retorna após algum tempo e, depois de uma rejeição inicial, conta com a simpatia de Andrea.  Porém, surpreende Nina sendo maltratada por Roberto e, ele próprio, sofre violência quando tenta defendê-la. A família parte para a Riviera italiana. Andrea, no entanto, tem que retornar mais cedo. Nina volta a encontrar Roberto e se esquece completamente de Pricó, que tenta sem sucesso voltar para a casa do pai, permanecendo desaparecido por três dias. A polícia o encontra e leva para Nina, que ao retornar a Roma, deixa-o com a governanta (Cigoli), que se dispõe a cuidar dele. A decisão do pai, no entanto, é de levá-lo a um internato católico. Pouco tempo depois o pai é assassinado, e quando Nina vai visitá-lo, esse mesmo emocionado, não demonstra qualquer interesse em voltar a viver com ela.
Muitos dos elementos que seriam depurados posteriormente no clássico Ladrões de Bicicleta (1948), já se encontram presentes aqui. Não se pode dizer propriamente que o talento de De Sica esteja a reboque do excelente parceiro roteirista que foi Zavattini, talvez o mais articulado dos homens que representou o Neo-Realismo, enquanto uma de suas figuras de destaque. Ele se encontra aqui em momentos isolados, como na bem construída seqüência que evoca os temores do garoto através de sobreposições de imagens – recurso nada novo, é fato, mas utilizado de modo bastante plástico aqui – ou na corrida solitária do garoto pela praia à noite tendo o brilho da lua sobre o mar ao fundo e ainda na bela cena final, aonde a profundidade de campo busca visivelmente acentuar a sensação de ruptura afetiva. De todo modo, mesmo o filme não fazendo propaganda apologética do regime, tal como a trilogia das “forças armadas” de Rossellini o faria ao menos em trechos, contemporaneamente (foi filmado em 1942), o filme não apenas apresenta uma estrutura narrativa bem mais ortodoxa do que aqueles que compõem a trilogia, como igualmente  uma implacável visão moral que seria persistente na colaboração da dupla Zavattini-De Sica em seus dramas neo-realistas, algo que não passaria despercebido dos distribuidores brasileiros, explicitando-o de vez. Sem dúvida, o filme parece sempre fazer eco aos comentários moralmente indignados de todos aqueles que observam a negligência da mãe para com seu filho, como a pequena multidão que é abordada pelos policiais quando trazem a criança de volta para o hotel onde se encontra aquela se encontra. Essa parece ser sempre a máscara da displicência. Ela não odeia ou maltrata o filho, e até mesmo chega a defendê-lo, mas pensa antes de tudo em si própria e em seus prazeres. E a forma relativamente fria com que reage a afetividade do filho em muitos momentos do filme, inclusive em sua rejeição final, ainda que possa sugerir um distanciamento emocional evocativo do cinema moderno, encontra-se mais próximo da perspectiva moral que engloba todo o filme. Não há duvida do porque De Sica ter sido, ao menos em termos numéricos, mais influente na história do cinema do que Rossellini. Esse filme já apresenta suas forças e fraquezas (as mesmas, a depender do ponto de vista ou proposição estético-moral-narrativa) e filmes relativamente recentes e de grande destaque internacional, como Central do Brasil (1998), atestam a força duradoura que conjuga melodrama e problema social apresentados com talento visual. Mastroianni foi um dos anônimos figurantes, enquanto o então garoto Ambrosis, após participar de uma meia-dúzia de produções até 1950, raramente seria visto desde então. Invicta Film/Scalera Film S.p.a para Scalera Film S.p.a. 84 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário