CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Filme do Dia: 2046 - Os Segredos do Amor (2004), Wong Kar-wai

Resultado de imagem para 2046 wong kar wai poster
2046 – Os Segredos do Amor (2046, China/Alemanha/França/Hong Kong, 2004). Direção e Rot. Original: Wong Kar-wai. Fotografia: Cristopher Doyle, Kwan Pun Leung & Lai Yiu Fai. Música: Peer Raben & Shigeru Umebayashi. Montagem: William Chang. Dir. de arte: William Chang, Alfred Yau Wai Ming & Alfred Yau. Figurinos: William Chang. Com: Tony Leung, Gong Li, Takuya Kimura, Zhang Ziyi, Chen Chang, Ping Lam Siu, Maggie Cheung.
Escritor de ficções futuristas faz uso de suas próprias experiências pessoais, notadamente de seu passado na Hong Kong e Cingapura dos anos 1960 quando, em meio às prostitutas com quem buscava somente diversão, apaixona-se por uma mulher chamada Su Li (Li), que parte para Cingapura.

Ainda que menos primoroso que seu Amor à Flor da Pele, em grande parte devido a menor capacidade de síntese que no filme anterior – aqui aborta-se várias possibilidades de finais mais interessantes que o escolhido, prolongando a narrativa com uma insistência quase redundante – trata-se de mais um filme em que Kar-wai demonstra seu domínio como poucos no cinema contemporâneo em retratar dolorosas experiências afetivas não sem um toque de ironia. Nesse jogo de espelhamentos a história futurista narrada é embasada nas experiências passadas do protagonista e, muito provavelmente, em experiências vividas pelo próprio cineasta e próximas a ele. Esse final dilatado ao extremo corrompe ou dilui o efeito de sinalizações simétricas muito elaboradas como a da filha do proprietário do hotel onde o protagonista vive, que expressa uma dimensão quase psicótica da impossibilidade de expressar seus sentimentos com as personagens femininas robóticas futuristas (e aqui não há como não pensar nas suas predecessoras em filmes como Blade Runner e Alphaville), desmascarando, voluntariamente ou não, que a possibilidade de se pensar em seres completamente despidos de sentimentos mas bastante semelhantes aos humanos é extraída da própria experiência contemporânea. Ainda que tanto a estrutura do filme quanto seu personagens dialoguem com o gênero noir, notadamente a figura de seu protagonista, esse compartilha mais do niilismo de seus antecessores que propriamente de cinismo, esse último se diluindo a partir do momento que o protagonista também demonstra suas fraquezas, o que lhe constitui de uma dimensão bem mais espessa que a mera fachada dos “heróis” do gênero no passado. Selando a dimensão quase edipiana dessa obsessão pelo passado e pela figura da mulher perdida existe  outra alusão não menos rica de simetria na imagem que abre e fecha o filme, significativa de uma representação tanto uterina quanto de um buraco negro espacial mais próximo da ficção escrita pelo protagonista. Como em Amor à Flor da Pele, boleros clássicos (aqui notadamente Perfídia) pontuam a atração e repulsa que convivem em momentos diferentes da relação afetiva. Não menos onipresente é a forte estilização visual (também presente no curta que integra o episódio do cineasta para o filme Eros) que unida a temas musicais de Preisner (compositor associado a Kieslowski) e a trilha original de Peer Raben (associado, por sua vez a Fassbinder), são de forte impacto na composição da atmosfera soturna e nostálgica que perpassa o filme. Block 2 Pictures/China Film Co-Production Co./Classic S.r.l/Columbia Pictures Co./Fortissimo Film/France 3 Cinéma/Jet Tone Films/Jet Tone Production Co./Orly Films/Paradis Films/Shangai Film Studios/ZDF/arte France Cinéma/arte para Sony Pictures Classics. 129 minutos.

Um comentário:

  1. Preciso pagar minhas dívidas com este filme. Ainda não o conheço.

    ResponderExcluir