CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sábado, 24 de setembro de 2016

Filme do Dia: O Último Tango em Paris (1972), Bernardo Bertolucci


Resultado de imagem para ultimo tango a parigi poster


O Último Tango em Paris (Ultimo Tango a Parigi, Itália/França, 1972). Direção: Bernardo Bertolucci. Rot. Original: Bernardo Bertolucci & Franco Arcalli, baseado em argumento de Bertolucci. Fotografia: Vittorio Storaro. Música: Gato Barbieri. Montagem: Franco Arcalli & Roberto Perpignani. Dir. de arte: Ferdinando Scarfiotti. Figurinos: Gitt Magrini. Com: Marlon Brando, Maria Schneider, Jean-Pierre Léaud, Maria Michi, Giovanna Galetti, Massimo Girotti, Gitt Magrini, Darling Légitimus.
               Paul (Brando) é um americano em Paris que passa a viver uma relação com Jeanne (Schneider), inquilina de seu apartamento, que deve ter como princípio o não envolvimento emocional de ambos, ao ponto de não se identificarem um ao outro. Jeanne pretende casar em breve com um cineasta (Léaud), que realiza um filme de coloração autobiográfica, protagonizado por Jeanne. Unidos pelo desespero, Paul e Jeanne continuam a se encontrar. Embora negue-se a escutá-la, Paul lhe revela o recente suicídio da esposa e a culpa que se seguiu. Chega a conversar sobre a falecida com o amante (Girotti) da mesma. Jeanne encontra-se com Paul em um salão de tango e demonstra não mais interessada na continuidade do relacionamento. Paul passa a lhe perseguir e ela o mata.

Bertolucci desloca seu elegante e fluido trabalho de câmera dos dramas históricos para a realidade contemporânea e preocupações existenciais mais que políticas. Não há como negar que o cineasta conseguiu trazer ao cinema, ao explorar a relação homem-mulher, uma dimensão de maior intimidade, expresso nos diálogos entre o casal protagonista mesmo que, sob o peso de soar ocasionalmente artificial. Seu estilo “moderninho”, em grande parte influenciado por Godard, teria enorme– e sobretudo má –influência no cinema francês posterior. De modo semelhante ao mestre da Nouvelle Vague, o cineasta auto-ironiza a estrutura dramática, inserindo momentos cômicos em meio a tragédia (enquanto o herói de Acossado faz caretas na hora da morte, Paul prega um chiclete sob a sacada do apartamento antes de morrer). Fez furor à época de seu lançamento, sendo proibido em diversos países, inclusive na própria Itália, sobretudo devido a uma cena de sodomia protagonizada pelo casal. Brando realiza uma de suas melhores interpretações na tela – senão a melhor. Les Productions Artistes Associés/PEA. 120 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário