CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Filme do Dia: Não é Um Filme Caseiro (2015), Chantal Akerman


Resultado de imagem para no home movie 2015 poster


Não é um Filme Caseiro (No Home Movie, Bélgica, 2015). Direção, Rot. Original e Fotografia: Chantal Akerman. Montagem: Claire Atherton.
A proposta do filme-testamento de Akerman, que se suicidaria pouco tempo após a sua finalização parece se anunciar árida a partir do primeiro plano, em que galhos de uma árvore são açoitados pelo vento e pela areia por longos quatro minutos. O que felizmente não é verdade, ao menos de todo. Sim, o filme é trespassado por longos planos com câmera fixa, herança da forte influência do cinema experimental da realizadora. O que, ao invés de comprometê-lo  provoca ritmo, dissonância e acentua os trechos de maior carga afetiva, pessoal ou mesmo “dramática”, em sentido bastante diverso do habitual evidentemente. Documentário que se centra na figura – seminal na vida e carreira da realizadora – de sua mãe, Natalia, que chegou, como os pais, a ser prisioneira em Auschwitz – a única referência direta ao fato se dá numa conversa entre Chantal e a mulher que acompanha a mãe. Avesso a ordem do discurso em over que pretendesse exprimir qualquer tipo de reflexão e/ou sentimento, como em Agnès Varda e muito amiúde em produções que lidam com o ambiente doméstico, solução digna ao afastar o risco do sentimentalismo fácil, ao mesmo tempo preservando o ente querido em suas atividades mais comezinhas. Há evidentemente um custo alto em tal aposta. E Akerman devia ter plena consciência disso, sendo  a realizadora dos filmes que fez. O registro muda então de configuração com a mãe falando diretamente para a câmera/Chantal sobre a memória dos pais, sobretudo do pai, e também dela quando pequena e uma singela declaração de amor mútua, quando a mãe falava que se orgulhava muito dela por ela ser tão bela e todos assim a acharem e a filha afirmando, pouco depois, que também muito se orgulhava dela, pois a achava a mais bela dentre todas as mães, quando essa ia busca-la no colégio. Indagada pelo motivo de a estar filmando, Akerman  responde a mãe que se trata de demonstrar a inexistência da distância, já que a mãe se encontra nesse momento em Bruxelas e ela em Oklahoma (ela a filma quando se falam pelo skype). Evidente subterfúgio, pois ela a filma quando também se encontra com a mesma. O rosto da cineasta, negado ou visto somente de vislumbre se torna plenamente visível com mais de meia hora de filme. A  determinado momento a mãe revela que diria muito mais coisas gentis a Chantal se não imaginasse que alguém mais poderia ouvir – ou seja, subliminarmente que o material poderia ser utilizado pela filha em um de seus projetos, como acabou de fato ocorrendo. Noutro momento a acompanhante da mãe de Chantal observa que as entrevistas que ela faz com a mãe a deixam ansiosa e Chantal não tem consciência disso. A penúltima imagem, apresenta uma cama em que Chantal amarra os sapatos e depois fecha, tornando-a escura (é o aposento da mãe, já falecida?), seguida por um dos não pouco comuns planos bastante demorados com câmera fixa, da sala e dos acessos a alguns dos aposentos. Se uma palavra pudesse sintetizar a experiência provocada pelo filme, essa seria honesto. O título talvez advenha da sabida resistência da realizadora quanto aos rótulos e classificações em relação a sua obra. Liaison Cinématographique/Paradise Films. 115 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário