CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Filme do Dia: Dúvida (1944), Robert Siodmak



Dúvida (The Suspect, EUA, 1944). Direção: Robert Siodmak. Rot. Adaptado: Arthur T.Horman & Bertram Millhauser, baseado no romance This Way Out, de James Ronald. Fotografia: Paul Ivano. Música: Frank Skinner. Montagem: Arthur Hilton. Figurinos: Vera West. Com: Charles Laughton, Ella Raines, Stanley Ridges, Molly Lamont, Henry Daniell, Rosalind Ivan, Dean Harens, Raymond Severn.
         No final do século XIX, Phillip Marshall (Laughton), respeitável homem de comércio, apaixona-se pela jovem e bela Mary Gray (Raines). Sua esposa Cora (Ivan), com quem não possui menor identidade, recusa-se a aceitar o divórcio e ainda ameaça tornar pública a infidelidade do marido. Atormentado, Marshall mata-a com sua bengala, simulando um acidente na escada. O laudo pericial concluí morte acidental, mas não deixa o Inspetor Huxley (Ridges), da Scotland Yard, convencido. O motivo que Huxley busca é o envolvimento de Marshall com Ella, agora casada com Marshall. Huxley entra em contato com o vizinho mau caráter de Marshall, Gilbert Simmons (Daniell), que vem a ser morto pelo mesmo, quando tenta chantageá-lo. Marshall resolve partir para o Canadá. No navio é abordado por Huxley, que apresenta o jornal que noticia a morte de Gilbert e lhe informa que a principal suspeita é sua esposa, Edith (Lamont). Huxley, que inventara sobre a suspeita de Edith, decepciona-se por Marshall não ter descido do navio. Quando o navio se encontra em vias de partir, no entanto, ele resolve descer.
       Esse admirável suspense de Siodmak apresenta muitas das características do estilo noir, porém inseridos em um contexto histórico e geográfico diferenciado. O charme se encontra na habilidade que o cineasta consegue motivar nossa identidade com o assassino. Aliás, esse longe de possuir o perfil caricato e psicopatológico como é geralmente retratado no cinema, inclusive pelo próprio Siodmak em filmes como A Dama Fantasma (1944), é apresentado como o mais normal e equilibrado dos homens. De forma mais sutil que o Hitchcock de Janela Indiscreta, Siodmak também brinca com situações de perigo, que somente um personagem, em cumplicidade com o espectador, sabe de algo, como na admirável seqüência em que a família e amigos de Marshall chegam em casa, logo após ele ter assassinado Simmons. Outro destaque é a opção por não apresentar o crime, saltando de um plano em que  protagonista acaricia sua bengala para o que os vizinhos comentam na feira sobre a morte de Cora. No elenco afiado, o destaque vai para o veterano Laughton. Universal. 85 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário