CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Filme do Dia: Nas Garras do Vício (1958), Claude Chabrol

Nas Garras do Vício (Le Beau Serge, França,1958). Direção: Claude Chabrol. Rot.Original: Claude Chabrol. Fotografia: Henri Decaë & Jean Rabier. Música: Émile Delpierre. Montagem: Jacques Gaillard. Com: Edmond Beauchamp, Gérard Blain, Jean-Claude Brialy, Bernadette Lafont., Michèle Méritz., Claude Cerval, André Dino, Jeanne Pérez, Michel Creuze.
        François (Brialy) retorna ao vilarejo natal após 12 anos em Paris. Embora tenha percebido que as coisas não mudaram muito, logo ao chegar se depara com o estado decadente de seu maior amigo, Serge (Blain), álcoolatra, que teve sua situação agravada após o nascimento de um filho com síndrome de down que logo morreu. Quem lhe conta tudo é um velho amigo que o recebe. Vai para uma hospedaria, já que a casa dos pais se encontra em estado precário. Ao encontrar-se pela primeira vez com Serge, este alcoolizado abraça-se com ele e chora sendo levado pela esposa Yvonne (Méritz), enquanto Marie (Lafont), sua amiga, leva seu pai adotivo, Glomaud (Beauchamp). No dia seguinte vai a casa de Serge, e o encontra dormindo. Sua mulher o acorda para ir trabalhar e ele é efusivo com François. O chama para tomar café. Marie se insinua para François e Serge afirma que ela deve se afastar dele. Mais adiante, no entanto, quase o atropela quando passeia com Marie e o chama de escoteiro quando esse o tenta impedir de beber, disparando com o caminhão. François se afasta para um local deserto e se beija com Marie. Essa afirma que devem ir até sua casa. François teme por seu padrasto, mas esta afirma que ele não se encontra. Como Marie sempre se refere a ele como pai, François lhe indaga se ele é ou não seu pai, o que ela nega e diz que toda a aldeia menos ele sabe da verdade. François vai falar com o padre (Cerval) e este afirma que a decadência moral tomou conta de boa parte dos habitantes do vilarejo. Quando saem da igreja se deparam com Serge, que impreca contra o padre. Ajym / Cooperative generale du cinema français. 110 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário