CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 7 de dezembro de 2014

Filme do Dia: Bom Trabalho (1999), Claire Denis

Bom Trabalho (Beau Travail, França, 1999). Direção: Claire Denis. Rot. Adaptado: Claire Denis & Jean-Pol Fargeau, a partir do conto Billy Bud, Sailor, de Herman Melville. Fotografia: Agnès Godard. Música: Charles Henri de Pierrefeu &  Eran Zur. Montagem: Nelly Quetier. Dir. de arte: Arnaud de Moleron. Figurinos: Judy Shrewsbury. Com: Denis Lavant, Michel Subor, Gregoire Colin, Richard Courcet, Nicolas Duvauchelle, Adiatou Massudi, Mickael Ravovski, Dan Herzberg.
Na Legião Estrangeira, comandante considerado pelos colegas, Galoup (Levant), abala-se com a chegada de um novo soldado, Sentain (Colin), que não apenas é admirado por todos os companheiros, como cai nas graças do superior de Galoup, Bruno Forestier (Subor), a quem Galoup admira intensamente e deseja ser admirado. Progressivamente irritado com Sentain, Galoup toma uma atitude radical que provocará um efeito devastador na vida de ambos.
Na conhecida forma elíptica tão ao gosto da cineasta, o filme possui um forte suporte da narração over que faz às vezes das memórias de seu protagonista. Tal como em Furyo, a rivalidade trai um evidente componente homo-erótico nunca explicitado (a não ser nos comentários de Galoup a si próprio, e ainda assim muito brevemente). A subliminaridade do desejo entre os corpos jovens e masculinos advém igualmente do conto que o inspirou. O filme se afasta completamente dos filmes que tematizam a Legião Estrangeira já que, mesmo situado em um contexto histórico e espacial não tão preciso, ocorre na contemporaneidade e não se filia ao gênero aventuresco. Os rituais coletivos, impregnados de uma veia mística, num local ao mesmo tempo ermo, inóspito e belo, chamam a atenção para uma proposta longe de realista da realizadora.  Nem as belas imagens da habitual colaboradora Godard nem a forma algo epifânica com que tudo é narrado, evocativo de uma literatura memorialista de viagens, ou mesmo as interpretações afinadas, com a curiosa presença de Subor com um personagem do mesmo nome de O Pequeno Soldado (filme realizado com Jean-Luc Godard nos idos de 60) conseguem livrar o filme de certa pretensão bem típica do cinema francês. Temas vinculados à África são recorrentes na filmografia de Denis, ela própria nascida na África francesa. La Sept-Arte/S.M. Films/Tanais Prod. para Pyramide Dist. 92 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário