CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Filme do Dia: Aqui e Acolá (1976), Grupo Dziga Vertov

Aqui e Acolá (Ici et Ailleurs, França, 1976). Direção e Rot. Original: Grupo Dziga Vertov (Jean-Luc Godard, Jean-Pierre Gorin & Anne-Marie Miéville). Fotografia: William Lubtchansky. Música: Jean Schwarz. Montagem: Anne-Marie Miéville.
Esse, que é o último filme do Grupo Dziga Vertov, o qual Gorin e, sobretudo, Godard foram os nomes mais frequentes, aborda, através de imagens filmadas seis anos antes na Palestina, e da assistência dessas imagens por uma família francesa contemporânea à produção do filme, temas como a banalidade da morte na região (muitos dos retratados na filmagem foram mortos posteriormente) e a reprodução de uma lógica da violência perpetrada pelos judeus em relação à Palestina, apesar de seu passado. Porém, existem igualmente subliminares temas formais como a relação temporal entre a filmagem e a recepção de um filme (mais poética e bem humoristicamente expresso em seu Vento do Leste) e espaciais como o que separa o Oriente Médio da França, que dá título ao filme, e é representado igualmente (ainda que de maneira grandemente obscura) por uma família francesa que na maior parte do tempo não mais que assiste às imagens, assim como a representação do outro (esse, melhor expresso em seu Carta para Jane). Faz uso dos jogos verbais e sonoros que se tornaram recorrentes na obra posterior do cineasta. Trata-se da estreia de Miéville, que se tornará colaboradora recorrente e mulher de Godard, na direção. O resultado final, no entanto, com todas as pretensões conseguidas ou não, é bastante tedioso para soar interessante. Talvez sua imagem mais interessante seja a de crianças palestinas realizando exercícios militares, que tal como representada soa menos como denúncia (ao menos no sentido do jornalismo rasteiro) que como poético registro da dolorosa ambiguidade entre a leveza e delicadeza dos gestos, mesmo em situações que simulam enfrentamento e defesa e a função potencial dos mesmos. Gaumont/Sonimage. 60 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário