CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

sábado, 11 de agosto de 2018

Filme do Dia: Bonitinha, mas Ordinária (1963), J.P. de Carvalho


Resultado de imagem para bonitinha mas ordinária 1963

Bonitinha, mas Ordinária (Brasil, 1963). Direção: J.P. de Carvalho. Rot. Adaptado: Jorge Dória, baseado na peça de Nélson Rodrigues. Fotografia: Amleto Daissé. Música: Carlos Lyra. Montagem: Rafael Justo Valverde. Cenografia: José Cajado Filho. Com: Jece Valadão, Odete Lara, Lia Rossi, Marlene Blanco, André Villon, Fregolente, Monah Delacy, Roberto Bataglin, Ida Gomes, Maria Gladys, Milton Carneiro.
Edgar (Valadão), rapaz de origem humilde, é “contratado” pelo patrão inescrupuloso Werneck (Fregolente), através de seu intermediário, Peixoto (Villon), para casar sua filha Maria Cecília (Rossi), vítima de estupro coletivo. Porém, Edgar vacila, já que tanto está apaixonado pela vizinha professora, Ritinha (Lara), como teme se transformar em cópia do crápula desesperançado que é Peixoto, também genro de Werneck. A aparência de pureza de Ritinha é desmentida por sua declaração que bancava as irmãs e a mãe inválida se prostituindo, após ter sido violada pelo patrão. Ritinha entra em colapso quando presencia as irmãs serem violadas em uma festa orgíaca na casa de Werneck. Edgar, por sua vez, percebe que seu afastamento de Ritinha para a pretensa pureza de Maria Cecília demonstra ser equívoca, já que a curra da garota por três homens negros foi pedida pela própria vítima. Edgar a abandona, e o cheque milionário do patrão, para buscar uma nova vida ao lado de Ritinha.
Adaptação que, descontados os limites morais do momento em que foi produzida, já antecipa o realismo chão de adaptações que pulularam entre o final dos anos 1970 e o início da década seguinte, incluindo a segunda adaptação do mesmo texto, de 1981. Nesse sentido, o filme não deixa de sinalizar claramente para o apelo erótico, seja na seqüência em que Ritinha é violada pelo patrão, no bacanal da casa de Werneck (reproduzindo aqui uma imagem da elite que o Cinema Novo enfocaria em diversos filmes) ou na insinuação homo-erótica de Werneck com Edgar. De qualquer modo, mesmo menos pretensioso, a opção estilística e o ritmo da narrativa são bem mais sucedidos que outra adaptação contemporânea, O Beijo, de Flávio Tambellini. Magnus Film. 90 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário