CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

#ELENÃO

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Filme do Dia: Adolfo & Marlene (1973), Ulli Lommel


Resultado de imagem para adolfo & marlene 1973


Adolfo & Marlene (Die Zärtlichkeit der Wölfe,  Alemanha, 1973). Direção: Ulli Lommel. Rot. Original: Kurt Raab. Fotografia: Jürgen Jürges. Montagem: Thea Eymèsz & R.W. Fassbinder. Dir. de arte: Kurt Raab. Cenografia: El Hedi Ben Salem.  Com: Kurt Raab, Jeff Roden, Margit Cartensen, Ingrid Caven, Wolfgang Schenck, Brigitte Mira, Rainer Hauer, Rainer Werner Fassbinder, El Hedi Ben Salem.
Na Alemanha dos anos da Segunda Guerra, Fritz Haarman (Raab) é um homossexual que comete assassinatos em série de jovens rapazes e serve a carne dos rapazes mortos para seu círculo de amigos antropófagos. Tido pela polícia apenas como contrabandista e corruptor de menores, é flagrado, após a denúncia de uma vizinha vigilante, Frau Lindner (Cartensen).

Ainda que possa equivocadamente ser confundido com um Fassbinder menor, dada à extrema semelhança estilística, que vai dos créditos inicias, passa pela montagem (não por acaso efetuada pelo próprio Fassbinder e sua montadora da época) e distanciamento emocional com que a história é narrada, além de contar com toda a trupe de atores do círculo de Fassbinder, incluindo o próprio, que também o produziu,  não se pode dizer que o filme teve a mesma densidade que um filme equivalente, o de Elaine May, em relação à filmografia de outro realizador autoral, Cassaventes (Mikey and Nicky). Falta em Lommel algo que vá além da narrativa e um maior senso de ritmo. Enquanto Fassbinder parece trabalhar sempre com um jogo complexo entre distanciamento e identificação, aqui apenas se fica com o primeiro elemento. Nesse sentido, não se pode conseguir qualquer identificação com o perverso protagonista, algo que Fassbinder conseguiu até de alguns de seus personagens mais vis. E, por outro lado, há um sensacionalismo over, como na seqüência em que se acompanha o ritual do assassino com sua última vítima, mostrando detalhes até então não observados. Essa cena, assim como o próprio canibalismo soam gratuitas, ainda que  pretendesse servir como metáfora política para uma classe média baixa mesquinha e conformada, cúmplice do mal tal como no auge do nazismo. Por outro lado, o que se poderia imaginar como mera solidariedade de grupo entre pequenos contraventores à princípio, demonstra ser por interesses próprios bem específicos. Raab, que também já havia sido utilizado por Fassbinder em papel semelhante, vive aqui um personagem que possui vários paralelos com o assassino vivido por Peter Lorre (com quem guarda algumas semelhanças) em M (1931), de Fritz Lang, inclusive nas suas declarações finais antes de ser executado. Não por acaso, já que o psicopata que inspirou o filme viveu durante a I Guerra Mundial e foi a inspiração para o filme de Lang. Tango Film. 82 minutos.