CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

#ELENÃO

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Filme do Dia: Jackie Brown (1997), Quentin Tarantino

Resultado de imagem

Jackie Brown (Jackie Brown, EUA, 1997) Direção: Quentin Tarantino. Rot.Adaptado: Elmore Leonard&Quentin Tarantino, baseado no romance de Rum Punch. Fotografia: Guillermo Navarro. Montagem: Sally Menke. Com: Pam Grier, Samuel L. Jackson, Robert Forster, Bridget Fonda, Michael Keaton, Robert De Niro, Michael Bowen, Lisa Gay Hamilton, Tom 'Tiny' Lister Jr, Hattie Winston, Chris Tucker.
          Ordel Robbi (Jackson), grande traficante de armas, apresenta comerciais com vários modelos de metralhadoras para seu velho amigo Louis (De Niro). Enquanto apresenta o material, a garota de Ordel, Melanie (Fonda) tenta seduzir Louis. Ordel, através do usual financiador de fianças de criminosos Max Cherry (Forster), consegue dinheiro para libertar Beaumont Livingston (Tucker), que trabalha para ele. Visita-o mais tarde em seu apartamento e constrange-o a permanecer no porta-malas de seu carro, para pretensamente servir de cobertura para um contato de armas que irá fazer com coreanos que não conhece. Após muita relutância, Beaumont aceita e é assassinado à queima-roupa por Ordel em um terreno baldio. Enquanto isso, outra empregada de Ordel, Jackie Brown (Grier), é abordada no estacionamento do aeroporto pelos agentes Nicolet (Keaton) e Dargus (Bowen). Após ser aconselhada por ambos a procurar responder as perguntas deles, caso não queira cair no rigor da alfadênga, após terem encontrado 50.000 doláres em sua bolsa, Brown vai com eles até seu escritório, mas resiste a qualquer compromisso com eles, que possuem um único motivo real: capturar Ordel. Presa, após estipulada fiança de 10.000 doláres, Ordel volta a pedir favores a Max Cherry, que ao apanhar Brown na prisão, apaixona-se à primeira vista por ela. Após sofrer uma tentativa de assassinato, por parte  de Ordel, ao molde do que realizara com Beaumont frustrado - ela o pega desprevenido e enxota-o de sua casa - Brown resolve contar quase tudo que sabe a respeito de Ordel para à polícia, em troca de seu emprego na companhia aérea. Enquanto isso, Louis e Melanie transam em seu apartamento, após uma direta de Melanie: “Vamos transar?”. Brown revela que contara tudo a um incrédulo Ordel. Ela explica o motivo: como o único motivo é capturar Ordel, a polícia não se importa que o meio milhão de doláres que Ordel possui no México seja transferido para os EUA, desde que Jackie Brown siga os planos que combinou anteriormente, onde o dinheiro será receptado logo após sua entrega. Uma primeira tentativa - levando apenas 50.000 doláres - realiza-se com sucesso, sendo o dinheiro repassado para outra amante de Ordel, a caipira Sheronda (Hamilton) em um pátio de um grande shopping. Na segunda tentativa, no entanto, oficialmente Jackie Brown levará apenas mais 50.000 doláres, embora em um fundo falso da bolsa ela carregue o restante do dinheiro. Ao chegar no aeroporto ela é abordada novamente pelos agentes, que marcam as cédulas. Após muita tensão, é combinada uma troca de dinheiro em uma loja do mesmo shopping anterior. Brown, como acordado experimenta e compra um terno mas, no vestuário, ao invés de entregar o dinheiro todo a Simone, separa apenas 50.000 doláres, deixando o restante na cabine. Ao sair e pagar seu terno, afirma para a moça do balcão que alguém esquecera a sacola no vestuário. Pouco depois, Max Cherry passa pelo balcão e afirma que sua esposa esquecera uma sacola no vestuário e sai tranqüilamente com o dinheiro. Enquanto isso Melanie e Louis discutem avidamente, e após tanto irritá-lo com suas brincadeiras sobre como poderia ser tão tenso e bronco - Louis não lembrava onde tinha estacionado o carro - este assassina-a com dois tiros no estacionamento. Encontra-se com Ordel, que ao perceber que fora logrado e, ainda mais, ao descobrir a presença de Max Cherry nas imediações, imediatamente percebe ser um complô dos dois contra ele, assassinando Louis. Max Cherry, agora um fã incondicional da banda predileta de Brown, The Delphonics, encontra-sd com Ordel e lhe conta que toda a ação fora apenas para salvar seu dinheiro, já que Brown não confiava em Melanie. Que ela, no momento se encontrava com todo seu dinheiro na sua agência. Ainda que temeroso, Ordel se dirige com Cherry até sua agência. Jackie Brown o recepciona no escuro e Ordel é assassinado pelos agentes Nicolet e Dargus. Ainda que desconfiados de que Brown esteja envolvida com o sumiço do restante do dinheiro, os policiais não possuem prova nenhuma contra ela, que pretende embarcar para a Espanha, não sem antes dar um beijo de despedida no catatônico Cherry, que, ainda que vacilantemente, deseja-lhe  boa sorte, mas afirma que pretende voltar aos seus antigos negócios - havia decidido desistir da profissão pouco tempo antes. Jackie Brown em seu carro dirigindo-se para o aeroporto.

Embora certos críticos apressadamente tenham afirmado o distanciamento de Tarantino com relação ao seu filme anterior, o grande sucesso de público e crítica Pulp Fiction, não há como não constatar que quase todos os ingredientes de seu filme anterior retornam: gangsterismo; violência (ainda que aqui, em sua grande maior parte eliptíca); suspense; dialógos engenhosos com pitadas de nonsense e de situações insólitas; afiada trilha de canções; montagem que, próximo do final, se recusa abruptamente a ser linear e apresenta três pontos de vista sobre a mesma ação do encontro no vestuário da loja; sátira sutil aos filmes do gênero e ao cinema clássico - como na cena que apresenta a rota de avião de Jackie Brown do México até os EUA ou um dos créditos que identifica o local como sendo o maior shopping do mundo. Ainda que sem o mesmo ritmo e ousadia de Pulp Fiction, o filme supera de longe o que se faz em Hollywood então, tendo como pontos positivos algumas excelentes interpretações (Jackson, Forster), uma montagem sofisticada - com destaque para planos longos em travelling e pela descontinuidade - da mesma montadora do filme anterior e, principalmente, o excelente roteiro. A duração excessiva e uma certa sensação de deja vú com relação ao próprio filme anterior de Tarantino são os pontos fracos. A seqüência final, falsamente dramática, já que permeada pela ironia e kitsch, lembra o final de Ata-me, de Almodóvar. Miramax. 151 minutos.