CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

#ELENÃO

sábado, 6 de janeiro de 2018

Filme do Dia: A Festa do Monstro Maluco (1967), Jules Bass

Resultado de imagem

Festa do Monstro Maluco (Mad Monster Party?, EUA, 1967). Direção: Jules Bass. Rot. Original: Leo Korokbin & Harvey Kurtzman sob argumento de Arthur Rankin Jr. Fotografia: Tadahito Mochinaga. Música: Maury Laws.
O Barão Frankenstein convida um grupo de monstros célebres como o Conde Drácula, o Lobisomem, o Homen Invisível, Dr. Jekyll/Sr. Hyde, o Corcunda de Notre-Dame e a Múmia, além de seu sobrinho humano Flanken  para anunciar que encontrou a fórmula de uma bomba de grande potência. Durante a reunião ele confidencia a Francesca, sua obra-prima, que pretende deixar como herdeiro da fórmula seu honesto sobrinho. Os monstros, juntamente com Francesca, começam a planejar como se apoderar da fórmula. Francesca, perseguida por Drácula, joga-se no fosso do castelo e se apaixona por Flanken. Quando os dois tentam fugir da ilha são surpreendidos por um gorila gigante, que se apaixona por Francesca. Ela consegue escapar do monstro, mas o gorila captura todos os monstros com exceção do Barão Frankenstein, que o ataca com sua esquadra aérea. Após destruir todos os aviões, o gorila também se apossa de Frankenstein, que solta o tubo de ensaio com a avassaladora bomba. De longe, Francesca e Franken assistem a destruição da ilha, enquanto formulam planos para o futuro e fazem revelações inesperadas.

Essa longa-metragem de animação com bonecos utilizando a técnica do stop motion guarda um certo charme em que o humor que satiriza o gênero terror não chega a ser demasiado escrachado, mantendo ainda algo do próprio gênero que satiriza (como A Dança dos Vampiros de Polanski). Visualmente instigante para o público infantil, é repleto de referências cinematográficas para o adulto. Além das evidentes referências aos próprios filmes clássicos de horror, há também alusões evidentes a King Kong (1933) e Quanto Mais Quente Melhor (1958), na tocante seqüência final, em que Flanken afirma que ninguém é perfeito, e repete mecanicamente a mesma frase tal e qual um robô. Destaque para os espirituosos diálogos e para a seqüência em que os esqueletos tocam um rock típico da época no jantar de boas vindas de Frankenstein ao excêntrico grupo. A voz do Barão Frankenstein é de Karloff, ator que celebrizou o monstro no filme de James Whale. Certamente foi uma das fontes de influência para filmes mais recentes que utilizam a mesma técnica tais como O Estranho Mundo de Jack  (1993), de Tim Burton. Embassy Pictures Corp/Videocraft Int. para AVCO Embassy Pictures. 94 minutos.