CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

sábado, 20 de janeiro de 2018

Filme do Dia: Caixeiro-Viajante (1969), Albert Maysles, David Maysles & Charlotte Zwerin

Resultado de imagem

Caixeiro-Viajante (Salesman, EUA, 1969). Direção: Albert Maysles, David Maysles & Charlotte Zwerin. Fotografia: Albert Maysles. Montagem: Charlotte Zwerin & David Maysles.
Esse documentário, um dos marcos do Cinema Direto norte-americano, acompanha 5 vendedores de bíblia em suas duras jornadas de trabalho, sob o sol ou sob a neve. Ao contrário de outros luminares associados ao movimento, como Wiseman, que se especializou em efetivar panoramas críticos de instituições como hospitais psiquiátricos, hospitais, escolas ou o sistema penal, aqui se depara sobretudo com situações e personagens peculiares. Há uma evidente tensão e melancolia que vão em extrema oposição ao que é recitado nas reuniões de vendedores, uma mescla entre um discurso de  auto-ajuda pré-fabricado, tentativa de impor um otimismo inexistente e prédicas que mal conseguem disfarçar sua dimensão puramente econômica e liberal através de um discurso moral e até religioso – como é o caso de um dos vendedores que ganhou um prêmio de reconhecimento e não faz parte do grupo de personagens observados de forma mais próxima pelo filme. Dentre esses, a figura que se destaca, Paul Brennan, inclusive em seu pessimismo e rancor evidentes, que, a determinado momento o filme delega a função de algo como um narrador interno através de seus comentários sobre os outros quatro, todos apelidados como nomes de animais, intercalados por cenas desses em ação e pelos risos desse, como se estivesse igualmente acabado de ver a cena em que um dos seus colegas tenta, a todo custo, empurrar uma venda para uma família que se encontra completamente sem dinheiro. Se nos documentários clássicos de Flaherty há uma dimensão épica da sobrevivência em meio as adversidades da natureza indócil aqui as adversidades se encontram no coração da própria civilização ocidental e está associada a relações sociais efêmeras entre vendedores e clientes. E, mesmo quando ocorre, ao contrário da cliente de origem polonesa que após muita conversa, não se demonstra convencida em arcar com a responsabilidade de pagar as prestações da bíblia, como é o caso do casal que compra um bíblia  e enquanto escutamos os detalhes do contrato serem discutidos entre vendedor e a mulher ouve-se um fundo sonoro de uma versão instrumental de Yersterday posto no toca-discos pelo marido. Ocorre uma cena constrangedora, próxima ao final, em que o “Touro” tem que advertir sobre o pessimismo e mau humor de Brennan, quando ele eleva o tom de voz em sua prédica para um casal que não se encontra disposto a comprar, ficando mudo e cabisbaixo durante uns instantes. E é sua imagem a última entrevista, tensa e angustiada, quase que próxima a desabar, que se acompanha. Se o seu ritmo pode parecer moroso e algo repetitivo, sem dúvida reflete o da vida profissional (e, por extensão, pessoal) de seus retratados. Maysles Films. 85 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário