CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Filme do Dia: O Homem Que Não Vendeu Sua Alma (1966), Fred Zinnemann

Resultado de imagem

O Homem Que Não Vendeu Sua Alma (A Man For All Seasons, Reino Unido, 1966) Direção: Fred Zinnemann. Rot.Adaptado: Robert Bolt, baseado em sua própria peça. Fotografia: Ted Moore. Música: Georges Delerue. Montagem: Ralph Kemplen. Com: Paul Scofield, Wendy Hiller, Leo McKern, Robert Shaw, Orson Welles, Susannah York, Nigel Davenport, John Hurt, Corin Redgrave, Vanessa Redgrave, Colin Blakely.
           Thomas More (Scofield) substitui o ministro anterior,  cardeal Wolsey (Welles), no governo de Henrique VIII (Hiller). Em conversa íntima com o próprio, que lhe indicaria, este recomenda que ele deveria ser um eclesiasta, ao que ele responde “como o senhor?”, numa clara alusão de que seus  princípios éticos se encontravam bem acima dos de certos homens com grande poder eclesiástico, como o próprio cardeal. Sondado pelo rei, logo após sua posse como ministro, mantém-se firme às pressões deste, que pretende que ele lhe dê o divórcio de sua espoa anterior para que se case com Anna Bolena (Redgrave). Uma intriga, envolvendo um cálice de prata que recebera como tentativa de corrompê-lo (era um magistrado de notório saber, competência e parcialidade) e que entregara a Rich (Hurt), pretendente a cargo público que constantemente lhe importuna, levam-no a julgamento e posterior condenação ao cadafalso.
Adaptação em grande estilo de uma peça de Robert Bolt (pelo próprio) que tem  como virtude uma explicitação bem transparente dos motivos históricos e uma magistral interpretação de Scofield e como principal falha, em grande parte decorrente dessa própria transparência e didatismo, um roteiro excessivamente esquemático e literário, sem maior aprofundamento nos personagens - o exemplo-mor, que chega ao ridículo, é a caracterização do debochado monarca. O sutil humor com que pretende amaciar a trama e torná-la mais palatável ao grande público chega a ser irritante. O estilo visual e a montagem passam longe de qualquer inventividade - e o raro momento em que por uma fresta é observada a passagem das quatro estações e que faz referência direta ao título original apenas é a exceção que confirma a regra. Ao preterir Quem Tem Medo de Virginia Woolf?  na premiação de melhor filme por este, realizado já em um momento declinante, em termos artísticos, na carreira de Zinnemann, a Academia de Hollywood conseguiu ser, de certa forma, coerente ao premiar as virtudes do academicismo sobre a originalidade. Curiosamente, o filme não deixa de apresentar involuntariamente características culturais do momento em que foi produzido, como no visual típico dos cabelos de meados dos anos 60 de Hurt. Columbia. 117 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário