CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sábado, 26 de abril de 2014

Filme do Dia: Respiro (2002), Emanuele Crialese

Respiro (Respiro, Itália/França, 2002). Direção e Rot. Original: Emanuele Crialese. Fotografia: Fabio Zamarion. Música: John Surman. Montagem: Didier Ranz. Dir. de arte: Beatrice Scarpato. Figurinos: Eva Coen. Com: Valeria Golino, Vincenzo Amato, Francesco Casisa, Verônica D´Agostino, Filippo Pucillo, Muzzi Loffredo, Elio Germano, Avy Marciano.
Na pobre ilha italiana de Lampedusa, próximo à Tunísia, Grazia (Golino), é hostilizada pela população local, cansada de suas excentricidades e desejosa que ela seja internada em Milão para tratamento. Seu marido, Pietro (Amato), inicialmente contrário à ideia, convence-se. O filho Pasquale (Casisa), no entanto, decide esconder a mãe numa caverna.
Refugiando-se num tema subliminarmente memorialesco que remete à erotização dispersiva e carregada da adolescência que possui ecos do Fellini de Amarcord em tons realistas, o filme busca os resquícios de uma “Itália profunda e autêntica” no tom de crônica provinciana que acompanha a vida da família da protagonista. Para tal construção faz uso tanto de uma faixa etária quanto de uma classe social menos favorecida – pescadores – que privilegiam uma maximização do “espontâneo”. Porém tanto seu realismo estético provavelmente não é um eco da realidade social dos ilhéus quanto sua narrativa deixa do lado de fora de sua moldura qualquer relação que vá além do universo social retratado. Um elemento fundamental para que tal proposta seja alcançada é o bom desempenho do elenco como um todo, com destaque para Golino. Sutilmente, o filme acaba inserindo relação e/ou homenagens à história do cinema italiano ou mundial. Nessa perspectiva, a tresloucada Grazia reflete o quão opressivo pode ser um vilarejo para pessoas que não se adequam ao perfil médio, tal como a figura vivida por Ingrid Bergman em Stromboli. Por outro lado, a seqüência final na qual Pietro volta a encontrar Grazia procura se espelhar na poética de L´Atalante (1934), de Vigo, ainda que a solução visual mais original do filme se encontre um pouco adiante, no último plano do filme, que faz uso de uma criatividade que infelizmente não se encontra no que lhe antecede. Eurimages/Fandango/Les Films des Tournelles/Meduza Produzione/Roissy Films/Rouse Films/TPS Cinéma/Telepiú. 95 minutos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário