CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sábado, 12 de abril de 2014

Filme do Dia: O Médico e o Monstro (1931), Rouben Mamoulian

O Médico e o Monstro (Dr. Jekyll and Mr.Hyde, EUA, 1931). Direção: Rouben Mamoulian. Rot. Adaptado: Samuel Hoffenstein & Percy Heath, baseado no romance The Strange Case of Dr.Jekyll and Mr. Hyde, de Robert Louis Stevenson. Fotografia: Karl Strauss. Montagem: William Shea. Dir. de arte: Hans Dreier. Figurinos:Travis Banton. Com: Fredric March, Mirian Hopkins, Rose Hobart, Holmes Herbert, Halliwell Hobbes, Edgar Norton, Tempe Pigott.
Dr. Henry Jekyll (March) é um médico cuja celebridade se deu por sua pouco ortodoxa tese a respeito da possibilidade de conseguir o retorno de características primitivas em seres humanos contemporâneos. Noivo de Muriel Carew (Hobart), para desgosto de seu pai, Danvers (Hobbes), que a manda para Paris, Jekyll se sente profundamente atraído pela prostituta Ivy Pearson (Hopkins), que auxiliou em uma situação de briga com um de seus clientes. O Dr. Lanyon (Herbert), que não compartilha das idéias de Jekyll, que considera extravagantes, fica chocado ao entrar no quarto e flagrar Jekyll nos braços da prostituta. Após conseguir levar adiante sua experiência consigo próprio, Jekyll se transforma em um ser grotesco e truculento que vai ao bar onde se encontra Ivy Pearson e passa a domina-la de modo tirânico, que ele próprio chama de Sr. Hyde. Quando Muriel retorna de Paris, é marcado o casamento de Jekyll com Muriel. Porém ele não vai ao evento.Transformado pelos efeitos constantes da medicação, já não possui controle sobre suas próprias mutações. Após enviar dinheiro para Pearson enquanto Jekyll, assassina-a enquanto Hyde. O Dr. Lanyon se torna conhecedor do evento inexplicável. Após romper definiitavmente com Muriel, Jekyll novamente se transforma em Hyde e agride Muriel e seus familiares. Fugindo para a casa de Jekyll com a polícia em seu encalço, tenta enganar a polícia mas é desmascarado por Lanyon. Após uma última metamorfose, é morto por um tiro.
Essa, que sem dúvida é justamente a mais célebre adaptação cinematográfica do clássico romance de Stevenson, recorrentemente adaptado tanto antes quanto depois, marca sua diferença com a segunda adaptação mais célebre, realizada por Curtiz dez anos após, por uma maior ousadia formal e por um erotismo impensável de ser suscitado após o Código Hays, de dois anos após. Quanto ao último, é marcante tanto na abordagem inicial da prostituta diante de Jekyll quanto – e principalmente – na transformação que leva um reprimido aristocrata a liberar todos os seus impulsos mais primários, motivado em grande parte pelo desejo da prostituta. A mutação por si só, ao menos a primeira vez em que é representada, é um primor de artifício técnico, já que aparentemente efetivada apenas a partir de um jogo de luzes e sem nenhum corte. Ainda que o resultado final produza uma criatura por demais caricata Mamoulian soube não só acentuar o tom iconoclasta de seu   “rebelde” dianto do açucarado e pouco entusiasmante romantismo do par Jekyll-Muriel quanto muitos dos ecos das vanguardas européias da década anterior (efeitos ópticos, tela dividida com ações simultâneas, distorções de foco, prólogo com  o protagonista representado pela própria câmera) e uma trilha musical com pérolas de Bach no sinistro órgão que antecipam O Gato Preto, para não falar de toda uma extensa produção posterior menos inspirada. O caráter explicitamente esquizóide do protagonista acentuará os traços da repressão sexual de uma Inglaterra vitoriana, códigos de pouca valia para uma plebe extremamente sexualizada. Paramount Pictures. 98 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário