CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 1 de abril de 2014

Filme do Dia: Bem me Quer, Mal me Quer (2004), Maria de Medeiros

Bem me Quer, Mal  me Quer (Je T Aime...Moi Non Plus, França, 2004). Direção e Rot. Original: Maria de Medeiros. Fotografia: Agustí Campos, Maria de Medeiros, Louis Hanon & Joshua Phillips. Montagem: Frederic Charcot & Maria de Medeiros.
A relação de amor e ódio entre críticos e realizadores através de um vasto painel de algumas das figuras consideradas sumidades em cada uma dessas profissões e suas declarações, focadas a partir da vitrine de egos proporcionada pelo Festival de Cannes. Que não se espere nenhum aprofundamento maior e sim mais uma certa leveza cômica que leva aos tradicionais pontos de atrito e sedução. Manoel de Oliveira apresenta um dos depoimentos mais interessantes e equilibrados, apresentando a função fundamental da crítica no crescimento de seu próprio trabalho. Wenders, por outro lado, evoca uma situação que uma crítica irresponsável arrasou o elenco de um de seus filmes, levando uma das atrizes a uma tentativa de suicídio ou ainda quando ouve de alguém que um filme seu mudou a vida daquela pessoa, tal declaração vale mais que qualquer crítica. Almodóvar demonstra-se insatisfeito com que ele acredita ser o pouco entendimento que os espanhóis tem de seu próprio cinema, quando são os únicos que detém todos os instrumentos para decifrá-lo em todas as linhas. Atom Egoyan recorda o início da carreira, quando sonhou com uma crítica que iria mudar sua vida e acabou sendo citado por apenas algumas linhas. O realizador palestino Elia Suleiman reclama de certos mitos criados pela crítica, como a excessiva festa no que diz respeito a cineastas como  - embora não cite diretamente – Abbas Kiarostami. Do lado dos críticos o mais bem humorado é um crítico francês que disse que a melhor seqüência ao qual se referira em um trecho de Tarkovski havia sido sonhada por ele, já que não constava do filme, após comentá-la com os colegas. Um crítico americano recorda o episódio em que sua crítica  de Titanic no Los Angeles Times irritou profundamente James Cameron, que pediu sua cabeça. O brasileiro Rubens Ewald Filho e o britânico Alexander Walker rememoram entreveros que tiveram com realizadores que criticaram, no caso do último o cineasta Ken Russell, que acabou atacando Walker com o próprio jornal em uma transmissão ao vivo, à época do lançamento de seu filme Os Demônios. Leon Cakoff lembrando o extravasamento de sua raiva quando encontrou Truffaut e afirmou para o cineasta que fora preterido de uma entrevista com ele por não ser de um país influente e Truffaut acalmou-o, chamando-o para uma conversa a sós por meia-hora. A trilha sonora é completamente dominada por canções de Caetano Veloso, que encerra o filme com uma declaração sua da necessidade tanto da crítica quanto de se brigar com ela. Alguns dentre os muitos outros depoentes são Ken Loach, Denis Tanovic, Michel Ciment, Jean-Pierre Frodon (com uma bela passagem em que se refere que o momento de escrita é o único em que consegue expressar algo realmente sobre um filme), Vicente Aranda, Mika Kaurismäki, etc. Everybody on the Neck/Onoma para Colifilms. 82 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário