CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

sábado, 30 de junho de 2018

Filme do Dia: Vento do Leste (1970), Grupo Dziga Vertov


Resultado de imagem para vento do leste 1969




Vento do Leste (Le Vent d´Est, França/Itália/Alemanha, 1970). Direção: Grupo Dziga Vertov. Rot. Original: Sergio Bazzini, Daniel Cohn-Bendit & Jean-Luc Godard. Fotografia: Mario Vulpiani. Montagem: Jean-Luc Godard & Jean-Pierre Gorin. Figurinos: Lina Nerli Taviani. Com: Gian Maria Volonté, Anne Wiazemsky, Paolo Pozzesi, Cristiana Túlio-Altan, Allen Midgett, Daniel Cohn-Bendit, Götz George, Federico Boido, Marco Ferreri, Gláuber Rocha.
Como o pródigo realizador de uma forma ensaística única de fazer cinema, Godard é o principal articulador do Grupo Dziga Vertov, de vida breve, no qual a proposta era se afastar do conceito burguês de autoria em troca de uma mais coletiva de realização cinematográfica. Godard faz uma radiografia do cinema e uma associação intrínseca com os modelos políticos que o geraram – sintetizado nas polaridades Nixon-Paramount x Brejnev-Mosfilm. Uma terceira via – representada pela breve e célebre aparição de Glauber Rocha numa encruzilhada – pode ser pensada a partir do cinema “divino maravilhoso” terceiro-mundista. Porém, Godard não se contenta apenas com uma crítica de conteúdo – sua narradora que apresenta os tópicos para se criar um cinema revolucionário – como que esgarça o eixo do cinema narrativo clássico ou moderno no seu próprio nervo. Em ambos os casos simulando uma paródia deles através do western, onde ridiculariza tanto o falseamento da realidade com muita tinta vermelha jogada sobre os atores quanto com a pretensa poesia de um cinema autoral mais sofisticado. Ou ainda as boas pretensões de um cinema engajado de feições humanistas e estética antiquada, quando faz pouco do cinema político de Pontecorvo & Cia. (utilizando igualmente o ator-fetiche do gênero: Gian-Maria Volonté); situação que semelhantemente é levada em conta no plano político, quando europeus tentam doutrinar um individuo do Terceiro Mundo com o marxismo. Porém, de longe sua seqüência mais inspirada é aquela na qual o cineasta efetiva com um vigor e poesia dignos de algumas de suas obras-primas tais como O Demônio das Onze Horas (1965) o mais belo e lúcido/lúdico insulto contra a passividade espectatorial. Dirigindo-se ao público, o ator a beira de uma cachoeira, numa paisagem idílica, fala tanto de figuras como uma velha feia sentada em tal fila quanto da bela moça que ele deseja ardentemente e quer que se junte a ele para sentir o prazer do momento, antes de proferir seus insultos contra os “babacas” que assistem comodamente a ele em suas poltronas. Inesquecível momento no qual confluem a crítica política com a explicitação da distância/contiguidade que separa o espaço/tempo da filmagem do de sua recepção. Repleto de planos nos quais permanece apenas a voz da irônica narradora sobre um fundo negro ou vermelho, o filme faz várias referências ao Brasil, incluindo o então recente sequestro do embaixador americano Elbrick, da mesma forma que não deixa de adicionar à visão padrão do horror pela morte de vítimas inocentes do terrorismo, o não menos terrorista cotidiano dos oprimidos. Anouchka Films/Film Kunst/Polifilm. 100 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário