CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

#ELENÃO

domingo, 3 de junho de 2018

Filme do Dia: Bleak Night (2010), Yoon Sung-hyun


Resultado de imagem

Bleak Night (Passokkoon, Coréia do Sul, 2010 ). Direção e Rot.Original: Yung Soon-hyun. Fotografia: Byun Bong-sun. Com: Lee Je-hoon, Park Jung-min, Seo Jun-young, Jo Sung-ha.
Pai (Sung-ha) atormentado pela perda recente do filho que se suicidou, Hee-jun (Jung-min), procura encontrar com os colegas de escola que conviveu pouco antes de morrer. Ele encontra Ki-tae (Je-hoon), que se mudou de escola algumas semanas antes do incidente e Dong-yoon (Jun-young), que não compareceu aos funerais.  Juntos, quando ainda próximos, viajam para a China com algumas garotas. Porém, logo as tensões se tornarão cada vez mais visíveis, sobretudo entre o caráter dominador e inseguro de Ki-tae e a aparente submissão de Hee-Jun, que porém possui uma determinação bem maior e que após sofrer abusos seguidos daquele, passa a estudar em outra escola.
Esse, que é o filme de estréia do realizador, apresenta uma abordagem revigorante do universo masculino juvenil, ao justamente fazer uso bastante dissonante do que poderia haver de mais convencional – a odisseia do pai a procura de razões para a morte do filho – e as lacônicas respostas prestadas por esses que de forma alguma coincidem de fato com a narrativa do filme. Embora observemos os eventos do passado entremeados por situações presentes, jamais se observa uma identificação plena de um com o outro. Há algo que resiste a ser observado como explicação única nas ações de Ki-tae – atração homo-erótica? Psicose obsessiva? – na forma como o filme apresenta o desejo obsessivo de ser amado e a rejeição e mesmo asco que gera por parte de Dong-yoon ou Ji-tae o comportamento de Hee-jun, provocando um imenso desconforto associado a rejeição. O filme observa tudo distante de qualquer aproximação sentimental. Se temos mais acesso aos fatos, “internamente”, que o pai, personagem da história-moldura talvez algo desnecessária, nem por isso tal acesso consegue auscultar os pensamentos interiores dos personagens. Enquanto estudo de comportamento de jovens homens, as relações com mulheres ficam grandemente secundárias. Originalmente produzido como trabalho de conclusão de graduação. Talvez um dos maiores achados do filme seja o quanto o algoz sofra tanto ou mais com seu comportamento agressivo quanto suas vítimas. CJ Ent. 116 minutos.