CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Filme do Dia: Plataforma (2000), Jia Zhang-ke


Resultado de imagem



Plataforma (Zhantai, China/Japão/Hong Kong/França, 2000). Direção e Rot. Original: Jia Zhang-Ke. Fotografia: Nelson Yu-Lik-wai. Música: Yoshihiro Hanno. Montagem: Jing Lei Kong. Dir. de arte: Shiu Queng. Figurinos: Qi Lei & Zhao Xiafei. Com: Wang Hong-wei, Zhao Tao, Liang Dong Jing, Yang Yi Tian, Wang Bo.
Após a morte de Mao Tse-Tung, na província de Fenyang, China,  jovens que fazem parte do Grupo de Cultura dos Camponeses, busca desesperadamente sorver um pouco da cultura pop que vem do estrangeiro, enquanto aos poucos, devido aos imperativos financeiros, privatiza-se e se transforma na banda pop alternativa All Star Rock and Breakdance Band. Cui Mingliang (wei) se inicia num mundo de liberdade, inclusive sexual, antes desconhecida. Porém, retorna para a provinciana Fenyang, mesmo temendo ser engolfado pela mesmice de seus muros, representado pela garota que era seu sonho de alguns anos antes.
Esse soberbo filme conjuga sua extrema contenção emocional com uma das mais belas reflexões sobre a China contemporânea, fugindo tanto do esquematismo com que algumas produções (inclusive de Zhang Yimou) representaram a Revolução Cultural de meados da década de 1960, quanto da medíocre produção rotineira contemporânea que possui o aval do repressor Estado, via de regra reproduzindo de forma piorada e ufanista os cacoetes de uma dramaturgia padrão internacional. Sua contenção está presente tanto nas interpretações quanto no seu próprio estilo, repleto de longos planos que vão além do interesse meramente narrativo, reproduzindo o tédio, dúvidas, angústia ou  expectativas dos jovens através tanto desse ritmo reflexivo quanto das  diversas paisagens da China, efetivando uma travessia que metaforiza a nação, mais próxima da dimensão existencial de No Decorrer do Tempo (1976), de Wenders que de uma metáfora mais direta sobre a situação político-econômica nacional como Iracema, uma Transa Amazônica(1975), de Bodanzky e Orlando Senna. Porém, para além da dimensão existencial também está presente a moldura política mais ampla,  tanto nos momentos de repressão vivenciados por membros da trupe quanto pela própria metamorfose vivenciada pelo grupo, sendo mais correto afirmar que ele quase faz uma fusão dos objetivos presentes nos filmes alemão e brasileiro dos anos 1970. Em termos narrativos, a contenção do filme frustra qualquer expectativa de algum efeito narrativo fácil, relacionado a morte ou violência. Ao mesmo tempo, não deixa de relativizar o caráter “provinciano” da realidade que retrata de uma maneira involuntariamente antropológica, crítica e terna de uma vez só, demonstrando que até mesmo os provincianos jovens da província de Fenyang, que cercam entusiasmadamente um membro do grupo que conheceu uma metrópole, tornam-se a expressão do cosmopolitismo ao viajarem pelas províncias ainda menos ocidentalizadas de sua turnê. De tinturas provavelmente autobiográficas (o cineasta é oriundo de Fenyang), o filme faz igualmente uma crônica de um momento histórico do país ainda pouco presente nas telas, cuja maior parte da produção conhecida, pelo menos no Ocidente, ainda se detém num período anterior, onde houve um processo repressivo bem mais cruel. Embora a repressão no país seja bastante acentuada e provavelmente ainda mais no momento descrito pelo filme, um de seus méritos é o de optar por retratar as estratégias para burlar essa repressão. Segundo filme do jovem cineasta nascido em 1970. A versão exibida no Festival de Veneza possuía 193 minutos. Artcam International/Bandai Ent./Hu Tong Communications/Office Kitano/T-Mark.145 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário