CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

#ELENÃO

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Filme do Dia: Passagem Azul (2002), Yee Chin-yen



Passagem Azul (Lan se da Men, Taiwan/França, 2002). Direção e Rot. Original: Yee Chih-yen. Fotografia: Chienn Hsiang. Música: Hou Chris. Montagem: Liao Ching-Song. Dir. de arte: Hsia Shao-yu. Com: Chen Bo-lin, Liang Shu-hui, Guey lun-mei, Chou Joanna.
Em uma escola secundária a jovem e romântica Lin Yuezhen (Shu-hui) se apaixona pelo garoto Zhang Shihao (Bo-lin) que, no entanto, apaixona-se pela melhor amiga de Lin, Meng Kerou (Lun-mei) que, por sua vez, revela que se encontra apaixonada por Lin.
Essa ciranda do amor imperfeito é traçada com delicadeza e sem sentimentalismo com exceção, talvez, de seu final, construindo um retrato dos conflitos emocionais vividos na adolescência de uma forma terna e intensamente contida. Mesmo absorvendo muitas das técnicas narrativas do cinema moderno no que diz respeito à economia dos diálogos e da trilha sonora, como um certo distanciamento dos personagens que mais os dignifica que os torna vítimas de um certo voyeurismo melodramático, o filme está longe de ser hermético. E, de forma extremamente despretensiosa, compõe um retrato da educação sentimental do trio intensamente agudo, universalizável e bem dosado na sua mescla de cômico e dramático. Seu tom agridoce e lírico no limite da catarse sentimental apenas derrapa no final, quando de uma maneira apressada e pouco convincente, esboça uma resolução por parte da dividida Meng Kerou, se contrapondo ao que toda sua estrutura narrativa conseguira traçar de forma equilibrada e sem maiores concessões aos cacoetes narrativos com que tal temática foi abordada, por exemplo, pela indústria norte-americana. Arc Light Films/Pyramide Productions. 85 minutos