CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 6 de abril de 2014

La luna e i Falò, Cesare Pavese

La luna e i falò

(di Cesare Pavese)
C'è una ragione perché sono tornato in questo paese, qui e non invece a Canelli, a Barbaresco o in Alba. Qui non ci sono nato, è quasi certo; dove son nato non lo so; non c'è da queste parti una casa né un pezzo di terra né delle ossa ch'io possa dire "Ecco cos'ero prima di nascere". Non so se vengo dalla collina o dalla valle, dai boschi o da una casa di balconi.
La ragazza che mi ha lasciato sugli scalini del duomo di Alba, magari non veniva neanche dalla campagna, magari era la figlia dei padroni di un palazzo, oppure mi ci hanno portato in un cavagno da vendemmia due povere donne da Monticello, da Neive o perché no da Cravanzana.
Chi può dire di che carne sono fatto? Ho girato abbastanza il mondo da sapere che tutte le carni sono buone e si equivalgono, ma è per questo che uno si stanca e cerca di mettere radici, di farsi terra e paese, perché la sua carne valga e duri qualcosa di più che un comune giro di stagione. Se sono cresciuto in questo paese, devo dire grazie alla Virgilia, ...
Cesare Pavese, La luna e i falò, EINAUDI, Torino, 1968

A lua e as fogueiras

(de Cesare Pavese)
Existe uma razão pela qual voltei a este lugar, aqui ao invés de Canelli, Barbaresco ou Alba. Não nasci aqui, é quase certo; aonde nasci não sei; não tenho neste lugar nem uma casa, nem um pedaço de terra, nem ossos que possa dizer "Eis o que fui antes de nascer". Não sei se venho de uma colina ou de um vale, dos bosques ou de uma casa com varanda.
A mulher que me deixou nas escadas do duomo* de Alba, talvez não tenha vindo nem mesmo do campo, talvez era a filha dos donos de um palácio. Talvez tenham me carregado em um cesto da colheita de uva, duas pobres mulheres de Monticello, de Neive ou porque não de Cravanzana.
Quem pode dizer de que sangue sou feito? Já andei o suficiente pelo mundo para saber que todo sangue é bom e se equivale, razão pela qual alguém se cansa e procura fincar raízes, adquirir terra e lugar, para que seu sangue valha e dure mais que o tempo de uma simples mudança de estação. Se cresci neste lugar, devo agradecer a Virgilia, ...
Cesare Pavese, A lua e as fogueiras, Berlendis & Vertecchia, São Paulo, 2003
ISBN: 8586387630

(*) Nota de tradução
Duomo: É a igreja mais importante de uma cidade.


La luna e i falò - A lua e as fogueiras
Publicado originalmente em 1950, este é o último e mais bonito romance de Cesare Pavese. Em meio a uma violenta crise emocional, o escritor acabou por se suicidar apenas quatro meses após a sua publicação. Em A lua e as fogueiras, os mitos da terra, da infância revisitada, do amor que, ao invés de criar a vida, a destrói, são apresentados em toda a sua força avassaladora.
Pubblicato per la prima volta nel 1950, questo è l'ultimo romanzo di Cesare Pavese e, secondo molti, il migliore. In preda a una violenta crisi emotiva, lo scrittore finì per suicidarsi appena quattro mesi dopo la sua pubblicazione. In "La luna e i falò", i miti della terra, dell'infanzia rivisitata, dell'amore che, invece di creare la vita, la distrugge, sono rappresentati in tutta la loro forza devastatrice.

Por Por Pierino Bonifazio e Elizabett Santos

originalmente in: http://www.ponto.altervista.org/Livros/Dezlinhas/pavese.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário