CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Filme do Dia: The Sunbeam (1912), D.W. Griffith




The Sunbeam (EUA, 1912). Direção: D.W. Griffith. Rot. Original: George Hennessy. Fotografia: G.W.Bitzer. Com: Ynez Seabury, Kate Bruce, Claire McDowell, Dell Henderson, Charles Hill Mailes, John T. Dillon, Mabel Taliaferro, Christy Cabanne.
Sunbeam é uma garota que vive em um cortiço com sua mãe. Essa morre e ela pensa que a mãe apenas dorme. Sem ter ninguém com quem brincar, Sunbeam busca a rígida solteirona (McDowell) do andar de baixo. Quando sai de seu quarto vai parar no quarto em frente, do solteirão (Henderson), com quem a vizinha vive às turras. Achando que a criança pegou uma presilha para cabelo, a solteirona a interroga. Outras crianças do cortiço pregam uma cartaz com os dizeres “febre escarlatina” e chamam alguns policiais que impedem a saída dos três do apartamento do solteirão. Tendo que se conformar com a nova situação, a solteirona tenta fazer alguma comida, enquanto os policiais descobrem se tratar de uma peraltice das crianças. Quando o casal vai devolver a criança a sua mãe, a descobrem morta, e pretendem agora criá-la com eles.
Há algo de terrivelmente esquemático nesse filme de Griffith que talvez em grande parte se deva a sua grande compressão temporal. Tudo se encontra tão à disposição da narrativa que soa o menos verossímil possível. Em questão de horas se acompanha a morte da mãe da criança e a formação de uma nova família para ela, com a involuntária ajuda de uma série de casualidades – o desaparecimento da presilha, a peraltice das crianças. O ambiente do cortiço era recorrente nos melodramas curtos griffithneanos, encontrando-se presente em vários filmes desse período, com variações na fórmula. Em The Miser´s Heart (1911), por exemplo, uma criança (vivida pela mesma Seabury) com mãe doente em um cortiço e sem ter com quem brincar procura o vizinho pão-duro. Porém tampouco deixa de ser tematizado em seus longas, como é o caso do episódio contemporâneo de Intolerância (1916). Biograph. 17 minutos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário