CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 23 de abril de 2017

Filme do Dia: O Esquadrão Branco (1936), Augusto Genina





Resultado de imagem para Lo Squadrone Bianco poster
O Esquadrão Branco (Lo Squadrone Bianco, Itália, 1936). Direção: Augusto Genina. Rot. Adaptado: Augusto Genina, Joseph Peyré, Gino Rocca, Gino Valori, a partir do romance de Joseph Peyré. . Fotografia: Anchise Brizzi & Massimo Terzano. Música: Antonio Veretti. Figurinos: Vittorio Accornero. Com: Antonio Centa, Fulvia Lanzi, Francesca Dalpe, Fosco Giachetti, Guido Celana, Olinto Cristina, Cesare Polacco, Mohamed Ben Mabruk, Doris Duranti.

Mario Ludovici (Centa) é um playboy que vive uma relação intempestiva com a socialite Cristiana (Lanzi). Quando ela ameaça romper com ele, Ludovicci parte para a Etiópia como oficial voluntário. Ele é recebido com carinho pelo velho Capitão Donati (Cristina) e frieza e mesmo hostilidade por seu superior imediato, Santelia (Giachetti). Apenas de última hora, por conta de sua falta de experiência, ele é feito membro de uma expedição que cruzará o deserto para combater uma tribo rival. Ao perceber a fibra de Ludovici diante da febre que o acomete no trajeto, Santelia passa a mudar sua opinião sobre ele, chegando mesmo a ficar a seu lado no leito de enfermo. Recuperado, Ludovici sabe que agora conta não só com a admiração, mas a amizade de Santelia. Cristiana, que chegara dias antes com um grupo de turistas, espera ansiosa, como todos  pelo retorno do único oficial que os pilotos de avião dizem ter sobrevivido ao combate. E o sobrevivente é Ludovici, que comanda a tropa. Ele tem um breve encontro com Cristiana, onde afirma que o Mario que conheceu está morto e que ele permanecerá por lá.

Genina, já realizador veterano, tira grande partido visual de planos panorâmicos monumentais a realçar composições ordenadas do avanço da caravana de camelos e homens, nunca de forma tão plasticamente interessante quando numa das primeiras imagens da caravana em que seus membros, homens e animais,  são duplicados por suas próprias sombras. Ou ainda com suas silhuetas recortadas no lusco-fusco que transforma as imagens ensolaradas observadas anteriormente quase em seu duplo em negativo. E ainda dos céus com parcas nuvens. E é graças ao talento visual  de seu realizador que o filme consegue ir além da insípida peça de propaganda não exatamente de guerra,  mas de proposição ético-moral. Nesse sentido, assim como a reviravolta que faz com que o tenente Ludovici passe a ser menos hostilizado por seu superior Santelia é o de demonstrar predisposto a caminhar e não ir montado no camelo no dia seguinte, enquanto ainda se recupera de uma febre, o da sua superação da dor de amor que o levou à situação atual – a morte do playboy e o surgimento do herói – se dá, não por acaso, logo em seguida, quando após relembrar momentos felizes ao lado de Cristiana, enterra na areia o souvenir associado aos mesmos, como se através do ato físico fosse capaz de automaticamente a apagar igualmente de seu pensamento, assim como todos os valores associados a seu mundo. Acompanha-se o gradual esfacelamento da obsedante preocupação com uma vida privada associada ao amor de uma mulher fútil e inconsequente em um ambiente cercado das facilidades do mundo urbano (quase como numa crítica aos filmes de “telefone branco” e seu ambiente escapista) pela descoberta de talentos recônditos capazes de emergirem somente sob os obstáculos e imprevistos no inóspito deserto. Não que previamente o protagonista fosse exatamente um dândi sensível, antes como se o deserto tenha servido como palco natural para que sua intempestiva virilidade, demonstrada já nos impulsos agressivos quando do último encontro em Roma com Cristiana, fosse melhor aproveitada e não se rendesse ao esgotamento neurótico e perverso da vida burguesa – outros retratos igualmente negativos ou insuficientes da vida burguesa (ao menos à moral de seus heróis) na produção contemporânea podem ser observado em filmes como Luciano Serra, Piloto. À mulher, evidentemente, sobretudo a mulher com o perfil de Cristiana, completamente contrário aos ideais fascistas da figura abnegada e maternal, não restará mais que sua habitual demonização e as lágrimas (por não ter percebido quem de fato Ludovici era? Por não mais conseguir inclui-lo em seu universo vazio?). Aqui, se trata, antes de tudo, de um acerto de contas entre homens, ao qual não faltam a figura de um avô bondoso e um pai raivoso que irá se transformar quando Ludovici ingressar de fato no mundo adulto com sua anexa hombridade fora de questão. É somente apagar a imagem de Cristiana de si que imediatamente o apoio agora será de Santelia, que havia lhe apontado o rumo das pedras a seguir para se tornar um verdadeiro líder: esquecer o passado, ter vontade e decisão. Com o crescente temor das relações inter-raciais entre italianos e africanas, o filme praticamente elide qualquer presença de destaque de nativas, enquanto os nativos de um pouco maior destaque, como o carismático vivido por Ben Mabruk não vão além, é claro, do retrato típico do subserviente “bom selvagem”, capazes no momento oportuno, de revelar conselhos e informações importantes, assim como de terem uma morte honrada que provocará um momento de piedade do herói. Roma Film. 100 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário