CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sábado, 9 de abril de 2016

Filme do Dia: The Love of Zero (1927), Robert Florey



The Love of Zero (EUA, 1927). Direção: Robert Florey. Rot. Original: Slavko Vorkapich, sob argument de Florey. Fotografia: Gregg Toland & Slavko Vorkapich. Dir. de arte: William Cameron Menzies. Com: Joseph Marievski, Tamara Shavrova, Anielka Elter, Cap. Marco Elter, Arthur Hurni.
Num domingo, um saxafonista, Zero (Marievski) se apaixona por Beatrix (Shavrova). Em pouco tempo eles se tornam um casal inseparável, até que Beatrix recebe uma carta do Grão Vizir, exigindo seu retorno imediato ao Afeganistão. Para sofrimento de ambos, o casal se separa. Zero ainda tenta o amor de outra mulher (Elter), que escarnece dele. Chega a notícia da morte de Beatrix.
Realizado aparentemente ainda com menos recursos que seu The Life and Death of 9413, a Hollywood Extra, Florey, com o auxílio de talentosos colaboradores, demonstra um grande talento para expressar sua fábula, visivelmente inspirada no estilo expressionista de O Gabinete do Dr.Caligari (1919). Suas janelas retorcidas, inscrições de letras na imagem e uso vibrantemente simbólico de uma cenografia sumária, para não falar da cena na qual o saxofonista se encontra empoleirado no alto de uma cadeira e sua amada está embaixo, provocando um efeito de distorção perspectiva, todos são evocativos do filme de Wiene. Com planos que não duram mais que frações de segundo e evidente desprezo pelas regras do naturalismo também no modo como os personagens são maquiados ou se movimentam em cena – particularmente na sequencia em que a prostituta, após rir do herói, acaba saindo com dois clientes. Florey usa e abusa igualmente das sobreimpressões e efeitos ópticos, em planos/contraplanos bastante originais, com a imagem dos amantes multiplicada em várias. O filme não apresenta mais do que duas cartelas, ambas com informações sumárias. Florey-Menzies Prod. 15 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário