CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Filme do Dia: Garotos de Fengkuei (1983), Hou Hsiao-Hsien


Os Garotos De Fengkuei Poster


Os Garotos de Fengkuei (Feng Gui Lai de Ren, Taiwan, 1983). Direção: Hou Hsiao-Hsien. Rot. Original: Chu T’ien-wen. Fotografia: Chen Kun Hao. Com: Shih Chang, Doze Niu, Chao P’eng Chue, Chung Hua Tou, Lai-Yin Yang, Zhang Chun-fang.
Grupo de quatro amigos jovens vive pequenas aventuras após abandonarem a escola e viverem sem maiores perspectivas de trabalho, envolvendo-se em brigas de gangues que causam receio às suas famílias. Cansados desse marasmo, três dos quatro jovens resolvem viajar para a cidade grande de Kaohsiung. Dentre eles, encontra-se Ah-Ching, que possui um pai deficiente desde que num jogo de beisebol teve parte de seu crânio afundado. Conseguem, através da irmã de um deles, um apartamento onde passam a morar e passam a trabalhar numa fábrica. Ah-Ching se torna crescentemente interessado pela vizinha Hsiao-Hsing, amante de um criminoso, Ah-Ho, que após um golpe na empresa em que trabalhava, foi preso. Ah-Ching soube da notícia da morte do pai e volta para sua província, levando consigo Ah-Ching. Quando retornam, ele fica sabendo da decisão dela de viajar para Taipei para morar com uma irmã.
Um dos primeiros filmes a chamar a atenção para o talento do realizador, o filme se destaca, sobretudo em seu princípio, por um estilo  visual e interpretações meio que amadoras e distantes do preciosismo associado ao mesmo, mas ao mesmo tempo já apresentando seu profundo interesse pelos personagens que descreve de forma um tanto distanciada. A música erudita barroca serve de ponte para que uma relação emocional maior se erga dentre a descrição distanciada do enredo, ao mesmo tempo acenando, sobretudo em seu início, para uma vinculação com a obra de Pasolini e seu interesse pelo ambiente lúmpen-proletário (sobretudo Accattone - Desajuste Social). Porém, aqui o realizador tampouco deixa de fazer uso de tal dimensão musical para abordar momentos de pathos que emergem em meio a monotonia cotidiana, como quando os amigos pretendem despir a força um deles em uma praia ou – e principalmente – ao fechar sua narrativa com imagens de vendedores reais em uma feira, como a demonstrar que qualquer um daqueles também traria histórias de vida semelhantemente carregadas de expectativas e decepções, algo impossível de se chegar apenas através de suas imagens chapadas diante da câmera. O filme se aproxima sobretudo de Ah-Ching (alter-ego do realizador?), o mais sensível do grupo e enfatiza justamente o momento em que ele vivencia duas perdas importantes de relações afetivas, a do pai e da garota pelo qual se encontra apaixonado, mas aparentemente não chega a concretizar nenhum tipo de contato efetivo. A tensão entre sentimentos internos e a rudeza da exterioridade que os cerca talvez em nenhum outro momento seja melhor expresso do que na refeição realizada em família após a morte do pai. Porém, muitas vezes, como no cinema de Antonioini, tal relação é construída através dos próprios ambientes escolhidos. E outro dos elementos criados para ressaltá-la, agora no âmbito interno da própria narrativa, são os flashbacks recorrentes de Ah-Ching ainda criança, sobretudo quando de seu retorno para o mesmo espaço que os vivenciara após a morte do pai.   O cinema também surge como um importante elemento de evasão para os garotos, que a certo momento assistem Rocco e Seus Irmãos (1960), reforçando o vínculo com o cinema italiano dos anos 60, assim como antecipando de certo modo a própria saga migratória a ser vivida pelo trio principal. É tido como filme predileto do próprio realizador. 101 minutos.


2 comentários: