CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Filme do Dia: Who Killed Vincent Chin? (1987), Christine Choy & Renee Tajima-Pena

Who Killed Vincent Chin? (EUA, 1987). Direção: Christine Choy & Renee Tajima-Pena. Fotografia: Kyle Kibbe.

O assassinato de Vincent Chin, engenheiro automotivo na cidade de Detroit que foi confundido com japonês e morto com um taco de beisebol por um norte-americano desempregado numa boate, por conta de acreditar que os japoneses haviam sido responsáveis por seu desemprego, devido a concorrência é o tema desse documentário. Talvez o que mais chame a atenção no mesmo, para além do flagrante conservadorismo e mesmo xenofobia da justiça norte-americana, que chega a ser ressaltado a determinado momento por um dos repórteres que cobrem o caso, seja os longos depoimentos que o próprio assassino, ao lado da esposa, concede em sua própria residência. O sofrimento da mãe de Chin, que o adotou aos quatro anos após descobrir que não poderia ter filhos, muitas vezes chega aos limites da impossibilidade de expressão como no momento final, após ter levado o caso a Suprema Corte, onde se chegou a decisão de 3 votos contra um pela absolvição do assassino, cujo assassinato foi testemunhado por várias pessoas, muitas delas entrevistadas pelo documentário. O caso provocou grande comoção na comunidade americano-asiática e a mãe de Chin efetivou uma longa peregrinação. Foi indicado ao Oscar da categoria, tendo perdido para Hotel Terminus. Pungente tanto pelo relato que apresenta, no despertar da onda multiculturalista quanto pela módica e despretensiosa produção, assim como por menos incensar, do que expor uma das feridas no pretenso caldeirão cultural como muitas vezes gosta de ser auto-representado o país, daí talvez  um dos motivos do filme ter sido grandemente ignorado pela crítica, mesmo tendo sido produzido pela TV pública norte-americana,  tanto à época de seu lançamento – levou dois anos para ser indicado ao prêmio da Academia – quanto posteriormente. PBS. 87 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário