CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

#ELENÃO

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Filme do Dia: Só Ficou a Saudade (1958), Delmer Daves

Resultado de imagem

Só Ficou a Saudade (Kings Go Forth, EUA, 1958). Direção: Delmer Daves. Rot. Adaptado: Merle Miller, baseado no romance de Joe David Brown. Fotografia: Daniel L. Fapp. Música: Elmer Bernstein. Dir. de arte: Fernando Carrere. Cenografia: Darell Silvera. Figurinos: Leah Rhodes. Com: Frank Sinatra, Tony Curtis, Natalie Wood, Leora Dana, Karl Swenson, Ann Code, Eddie Ryder, Jacques Berthe.
           Sam Loggins (Sinatra) é um tenente americano na França que começa a ser liberta do jugo alemão pelos americanos e apaixona-se perdidamente à primeira vista pela garota americana que vive na França desde pequena, Monique Blair (Wood), que, no entanto, o rejeita. Loggins morre de ciúme do mais belo e rico subordinado, Capitão Britt Harris (Curtis) que consegue, de forma ousada e contra suas indicações, atravessar um campo minado para ajudar no salvamento de alguns soldados desavisados e que age heroicamente em combate. Porém a reputação de Britt fica arranhada de vez com Loggins quando este descobre que Britt já conhecia o campo minado e, pior, não só se encontra envolvido com Monique, como para ele é apenas uma diversão a mais. Ele desmascara tudo, na frente de Monique e sua mãe (Dana). Monique foge e é atropelada. Loggins, que prometera vingança a Harris, tem  ele morto em suas mãos em combate e não se sentindo nem um pouco confortável com a situação. Volta a visitar Monique, que transformou sua casa em uma escola para crianças que perderam seus pais na guerra, sendo ciceroneado pelo garoto Jean-François Dauvah (Berthe), que conhecera no dia que igualmente conheceu Monique.

           Narrado por Sinatra, esse desbragadamente nostálgico e sentimental drama passional, que como muitos outros se utiliza da Segunda Guerra apenas como pano de fundo superficial, hoje soa irreversivelmente datado e sem maiores atrativos na sua banal descrição do velho triângulo amoroso com fim trágico. Não há como não destacar um muito subliminar conteúdo homoerótico na relação entre Loggins e Britt Harris. Daves, mesmo que mais conhecido por seus westerns, ocasionalmente dirigiu romances como esse, ambientados na Europa, como é o caso igualmente de Candelabro Italiano (1963), com resultados menos interessantes. Eton/Frank Ross Productions, distribuído pela United Artists. 110 minutos.