CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 22 de junho de 2014

Filme do Dia: Cleópatra (1970), Osamu Tezuka & Eiichi Yamamoto



Cleópatra (Kureopatora, Japão, 1970). Direção: Osamu Tezuka & Eiichi Yamamoto. Rot. Original: Osamu Tezuka & Shigemi Satoyoshi. Fotografia: Katsuharu Misawa. Música: Isao Tomita. Montagem: Masashi Furukawa. Dir. de arte: Kazue Itô. Cenografia: Tatsuro Fukada.

 A egípicia Cleópatra é transformada, com o auxílio da feiticeira que a serve, numa linda mulher, que seduz o imperador romano Júlio César. O intento da feiticeira é de fazer com que Cleópatra, tornada rainha, assassine o líder romano que escravizara o Egito. Cleopatra tenta, mas o veneno que lhe dá acaba, na verdade, por curá-lo de uma reação mortal que sente ocasionalmente. A vaidade de Júlio César faz com que erga monumentos a si próprio por toda Roma e se torne impopular junto à população. Cleópatra e a feiticeira articulam seu assassinato. Seu sucessor, Marco Antônio, é igualmente seduzido pela beleza de Cleópatra e se torna o grande amor de sua vida. A feiticeira pressiona Cleópatra para que também o assassine, mas ela desiste no último momento.  Marco Antônio, mesmo sabendo de toda a conspiração para matá-lo, nunca suspeita de Cleópatra, morrendo em seus braços, após chegar ferido do combate. Cleópatra foge para o Egito e quando mais uma vez se encontra na posição difícil de optar por sua nação (e igualmente sua morte) ou voltar para Roma, sob a proteção do imperador Otávio, decide pela morte.

Certamente há algo de desnecessário nesta fabulosa animação de longa-metragem. Sua moldura futurista aonde a narrativa de Cleópatra se desenvolve, através do envio de alguns personagens para vivenciarem suas figuras históricas. Assim como também é perfeitamente dispensável os personagens que vivenciam a trama amorosa secundária, Líbia e seu amado. Aliás, uma em parte, surge como decorrência da outra – estes personagens sequer existiriam se não houvesse a necessidade de criar a história futurista. Nada disso, nem tampouco os traços da própria animação, nada muito diversos da trivial produção cotidiana para a TV, tiram o brilho deste ousado filme. Certamente influenciado pelo clima libertário da época, seus realizadores conseguiram uma justa medida para suas idiossincrasias, o que acaba provocando um efeito surpreendente, justamente por se dar em momentos pontuais. Como é o caso de estratégias que apresentam a intervenção direta extra-diegética, em sua forma mais bem aprimorada na seqüência de luta que tem parte repetida em câmera lenta. Mas é sobretudo, no desfile em homenagem a César, completamente construído a partir de referências da história da arte, que elas se dão talvez de modo mais criativo. Sua sexualidade intensa, mas na maior parte longe de vulgar, como quando César aperta o seio de Líbia, escrava recém-adquirida ou, quando numa evocação do sexo entre este e Cleópatra, tem-se apenas uma menção  quase abstrata de duas linhas básicas em movimento, que sugerem seus corpos em cópula. Ao longo de todo o filme, somos surpreendidos, pela criatividade igualmente dosada que se manifesta também em termos de narrativa – apesar de ter vindo de outra época, praticamente o único objeto moderno que surge, e de forma definitiva salva a vida do escravo que guerreia no coliseu, é o revólver. Seu erotismo, é passível de ser acusado de misógino, sobretudo no modo escrachado com que é sugerido o estupro de mulheres ao início. Ou na própria figura malandra do Leopardo de Cleópatra (mais um dos personagens que vem do futuro, mas este sim mais essencial que os outros, no seu contraponto cômico) que chega a lamber os belos seios de Líbia, a determinado momento. E literalmente baba por sua dona, chegando a se aproveitar de um momento de impotência da mesma, enrolada dentro de um saco, para tentar satisfazer sua tara, no único momento que talvez seja efetivamente vulgar, mas nem por isso destituído de humor. Mesmo que tal misoginia possa ser posta em suspensão, pela presença de mulheres que estão longe de serem meramente passivas, sobretudo no movimento coletivo na qual fazem uso do sexo para desviarem toda e qualquer atenção dos soldados de Marco Antônio, tendo em vista a realização de seu assassinato.  Sem falar que o próprio Marco Antônio é mais completa e sinceramente apaixonado por Cleópatra do que o oposto. Em outros momentos, o que surpreende é a própria situação, como a ousada cena na qual a mãe de Marco Antônio, completamente despida, deixa mais que evidente o quão secundária é Cleópatra na vida de seu filho.  Na verdade, o que torna tudo mais interessante, é que o senso criativo perfeitamente antenado com o ideal libertário da época na qual foi produzido está longe de fazer quase qualquer uso direto de motivos mais francamente associados com a mesma, como traços psicodélicos –a única exceção sendo uma seqüência de imagens levemente caleidoscópicas. Dentre outros fugidios momentos de humor escrachado, sorrateiros por sua marginalidade em relação à trama principal, encontram-se o que Cleópatra ao passar pela operação que a transforma da horrorosa moça sardenta que era na beldade desejada por todos, deita-se no leito que fora anteriormente ocupado por ninguém menos que Frankenstein ou, ainda mais discreto, o que Lupa, o leopardo, faz uso de  um secador de cabelo com seu próprio rabo. Outros mais diretos são os que a faca que ela pensara em matar Júlio César é motivo para que ele a interprete equivocadamente, quando forma um grande volume entre suas pernas e ele exclama uma saborosa tirada. Destaque igualmente para a cena na qual Otávio, ao invés de se interessar por Lybia, alucina e perde a compostura diante do corpo viril de seu amante. Com tantas características excêntricas quase passa batida a estranheza de se ver romanos e egípcios falando japonês.  Foi mal interpretado ou deliberadamente utilizado como produto de exploração erótica quando lançado internacionalmente – sob o ridículo título de Cleópatra, Queen of Sex. Ao início,  uma evidente referência ao já cultuado 2001 – Uma Odisséia no Espaço (1968), de Kubrick. Mushi Prod. para Nippon Herald Eiga. 112 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário