CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 11 de maio de 2014

Filme do Dia: Buena Vista Social Club (1999), Wim Wenders




Buena Vista Social Club (Alemanha/Cuba/França/EUA, 1999). Direção e Rot. Original: Wim Wenders. Fotografia: Robby Müller, Lisa Rinzler & Jörg Widmer. Montagem: Monica Anderson &  Brian Johnson. Com: Ibrahim Ferrer, Rubén González, Compay Segundo, Eliades Ochoa, Ry Cooder, Joachim Cooder, Benito Suárez Magana, Pío Leyva, Manuel 'Puntillita' Licea, Orlando 'Cachaíto' López, Manuel 'Guajiro' Mirabal, Luis Barzaga, Omara Portuondo.
Tocante incursão no mundo da música cubana, representada pelos artistas que se apresentavam no legendário clube que dá título ao filme. Através de Ry Cooder e sua equipe os músicos e cantores voltam a se encontrar, em muitos casos depois de muitos anos. Com cenas de apresentação do grupo em Amsterdã e no Carnegie Hall (filmadas em sépia) alternadas com seqüências das ruas (numa delirante fotografia que realça as cores alegres e fortes que compõem a arquitetura e o vestuário cubano), o filme também apresenta um comovente testemunho dos artistas que compõem a banda e suas trajetórias de vida, com destaque para o carismático Ferrer, Compay Segundo e Rubén González. Entre os inúmeros momentos de destaque do filme: o dueto de Ferrer com Eliades Ochoa (registrado por um primoroso trabalho de câmera circular) no estúdio, assim como a emoção da apresentação ao vivo da dupla em Amsterdã; o nonagenário Compay Segundo afirmando que pretende ter mais um filho e louvando as mulheres; os treinos de piano de Gonzalez em uma academia para crianças que desenvolvem atividades físicas e dança (com uma virtuosa montagem) e um depoimento seu junto a um belo jardim, onde recorda emocionado um companheiro de tempos passados; o momento em que Cooder e seus parceiros ensaiam na beira do mar; o entusiasmo de Ferrer com as ruas de Nova York e a apresentação final no Carnegie Hall, em junho de 1998. Esse projeto, que se destaca da filmografia de Wenders pelo inusitado tema, também foi seu melhor filme desde Asas do Desejo (1987). Num breve plano, o cineasta faz questão de fazer menção a si próprio, filmando uma asa do avião do ponto de vista do viajante, plano presente em vários de seus filmes, como que à guisa de deixar registrado uma certa identidade autoral, presença mais evidente em seus filmes da década de 70. ICAIC/ Kintop Pictures/Road Movies Filmproduktion. 101 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário