CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sábado, 24 de maio de 2014

Filme do Dia: Mamma Mia! (2008), Phyllida Lloyd



Mamma Mia! (EUA/Reino Unido/Alemanha, 2008). Direção: Phyllida Lloyd. Rot. Adaptado: Catherine Johnson, baseado em seu musical. Fotografia: Haris Zambarloukos. Música: Benny Andersson. Montagem: Lesley Walker. Dir. de arte: Maria Djurkovic, Dean Clegg, Rebecca Holmes & Nick Palmer. Cenografia: Barbara Herman-Skelding. Figurinos: Ann Roth. Com: Amanda Seyfried, Meryl Streep, Pierce Brosnan, Stellan Skarsgard, Colin Firth, Rachel McDowall, Julie Walters, Christine Baranski, Dominic Cooper.

Sophie (Seyfried) que mora com a mãe Donna (Streep) em uma ilha grega decide chamar os três homens que acredita que podem ser seu pai para seu casamento com Sky (Cooper). Os três, Bill Anderson (Skargard), Sam Carmichael (Brosnan) e Harry Bright (Firth) chegam praticamente no mesmo momento a ilha. Enquanto Sophie entra em conflito com Sky, sua mãe fica confusa com a chegada inesperada de seus três ex-amantes.

O risco frágil de narrativa apenas serve como pretexto para o principal chamariz do filme, ser uma espécie de songbook ilustrado das principais canções do ABBA. Talvez o maior problema dessa produção seja a falta de um registro definido sobre sua apropriação do universo romântico do ABBA, ao contrário de outras produções que utilizaram canções do grupo (As Aventuras de Priscilla, a Rainha do Deserto; O Casamento de Muriel), assim como sua nem sempre orgânica (com relação a narrativa do filme) utilização das canções que geram situações no enredo, que muitas vezes surgem do nada e para o nada retornam, que deixa ainda mais a desejar do que a efetivada pelo já fraco Across the Universe com relação aos Beatles. Tem-se a impressão, a certo momento, de se assistir a um encavalamento de videoclipes, ainda que ao menos em um momento o casamento entre canção e sua canhestra coreografia pareça ser contaminado por uma certa espontaneidade comovente, por mais artificiosa e próxima do universo da publicidade que seja de fato. É o de Dancing Queen, quando todas as mulheres da ilha parecem ser encantadas pela música e seguirem Donna, libertando-se de seu cotidiano opressivo, no que é de longe o melhor momento do filme. Uma comoção que talvez se encontre  igualmente associada ao patético e a fragilidade exposta no trânsito entre o ator real e sua interpretação que o musical tende a deixar mais vulnerável.  Como boa parte dos musicais recentes (ao menos desde Todos Dizem Eu Te Amo, de Allen), as canções são interpretadas pelo próprio elenco do filme. Universal Pictures/Littlestar Prod.//Playtone/Internationale Filmproduktion Richter para Universal Pictures. 108 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário