CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 25 de maio de 2014

Filme do Dia: Stromboli (1949), Roberto Rossellini



Stromboli (Itália/EUA, 1949). Direção: Roberto Rossellini. Rot. Original: Sergio Amidei, Art Cohn, Roberto Rossellini, Gian Paolo Callegari & Renzo Cesana, baseado em argumento de Rossellini. Fotografia: Otello Martelli. Música: Renzo Rossellini. Montagem: Jolanda Benvenuti & Roland Gross. Com: Ingrid Bergman, Mario Vitale, Renzo Cesana, Mario Sponzo, Gaetano Famularo.
         Karin (Bergman) é uma balcã que, fugindo de um campo de prisioneiros, resolve casar-se por conveniência com o rude pescador Antonio (Vitale), que a leva para a distante e sofrida ilha de Stromboli. Irritada com o ambiente e com os costumes tradicionais, que relegam a mulher um papel de total submissão ao homem, Karen sente-se desgostosa e busca apoio espiritual no padre (Cesana) local. Tenta modernizar a casa onde vivem, cuidando de sua decoração. Sua proximidade do faroleiro (Sponzo) desperta comentários dos aldeães e também a ira do marido que, quando volta da pesca, a surra e volta a decorar a casa de acordo com seu gosto. Karen tenta, então, se enquadrar ao ambiente, utilizando roupas mais femininas e indo atrás do marido no trabalho. Ao retornar percebe-se grávida. A fúria do vulcão que situa-se na ilha a faz mudar de idéia e fugir. No meio do trajeto chora sem forças e clama por Deus.
Belo filme de Rossellini que, se não chega a ser totalmente convincente, traz cenas de grande impacto como as da erupção do vulcão ou – e principalmente - da pesca de atum. Trata-se de um filme de transição em sua carreira, quando corajosamente inicia um distanciamento das temáticas que o haviam celebrizado do ciclo neo-realista (mesmo que, por outro lado, radicalizando algumas das práticas tipicamente neo-realistas como o improviso a utlização de figurantes e locações externas assim como a ausência de um roteiro formal). Inicia, a partir daqui, uma incursão sobre as dificuldades na relação entre casais, em grande parte reflexo de sua conturbada relação com Bergman e que tem seu exemplar mais bem sucedido com Viagem à Itália (1953). A atriz consegue expressar o tom de inconstância emocional, por vezes tentando se adequar à nova vida, mas sem nunca perder a expectativa de sair o quanto antes da ilha. A marginalização que sofrem da conservadora comunidade em que vivem expressa a tensão que vivenciou o casal com o escândalo que foi sua união, enquanto ambos ainda encontravam-se casados. Anna Magnani, então mulher do cineasta, que estava escalada para viver a protagonista, acabou abandonando a equipe e indo juntar-se a de outro filme que estava sendo rodado numa ilha próxima à mesma época, Vulcano, de William Dieterle. Berit Films/RKO Radio Pictures. 107 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário